Foto: Reprodução

Como se já não bastasse o caos e o encarrilhado de notícias ruins que estamos vendo e vivendo nos últimos tempos, uma operação policial, realizada nesta quinta-feira, 06/05, na favela do Jacarezinho, Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, terminou como a mais letal da história do estado, com 25 mortos. Não é exagero classificar como chacina. Foi isso mesmo que aconteceu.

Há umas quatro décadas, o Rio de Janeiro tem como modelo de segurança pública a polícia e a política do conflito, dando o mínimo de prioridade à tecnologia, investigação e estratégia para combater o crime organizado. O resultado é esse: vivemos em uma das metrópoles mais violentas do mundo. É a prova de que esse modelo fincado em uma guerra que mata inocentes, agentes do estado e criminosos não funciona. Se essa tática fosse eficaz, o RJ já seria uma Finlândia ou uma Dinamarca tem tempo.  O que aconteceu nesta quinta no Jacarezinho pode ser chamado de tudo, menos de segurança pública.

O caos generalizado na favela do Jacarezinho durante a operação policial, que infelizmente é rotina para quem mora nas comunidades pobres do Rio, chegou até ao metrô, que foi atingido por balas. E não importa discutir de onde vieram essas balas. Essa guerra, ninguém vence. Dos 25 mortos, um era policial civil e a polícia classificou os outros 24 como “suspeitos”.

Os policiais também sofrem com esse modelo de suposta segurança pública. São eles quem vão para a linha de tiro matar e morrer. Secretários e governadores seguem blindados em seus gabinetes. Falando em governadores, Claudio Castro segue a mesma política de Witzel, aquele do “tiro na cabecinha”.  Já sentou na cadeira, Castro. Bote a mão na cabecinha e pense se é isso mesmo que você quer repetir.

Antes que venham os argumentos de tiozão do Whatsapp, não quero dizer que a polícia tenha que ficar algemada vendo o crime crescer, acontecer e dominar territórios e ditar a vida das pessoas. A polícia é o braço armado do estado, detém o uso da força e deve usá-lo quando a situação leva a isso. Mas um modelo de segurança pública que prioriza esse tipo de ação está fadado ao eterno fracasso. Como vemos no Rio de Janeiro há décadas. Fracasso banhado a sangue e mortes.

Tudo isso acontecer justamente no momento em que as pessoas estão passando extrema necessidade (ainda mais que o “normal”) nas favelas do Rio de Janeiro é inaceitável.

Existem muitas maneiras de coibir a atuação de traficantes e milicianos. Outros países fizeram.  E essas ações passam por inteligência, tecnologia, investigação, sufocar as fontes de renda dessas facções, impedir que eles tenham acesso tão fácil às armas e drogas, reformas estruturais nos locais onde eles atuam, com educação, saneamento, moradia, comida na mesa, emprego, renda para a população local. Tudo isso é, também, segurança pública. O que não é, é o que foi feito nesta quinta no Jacarezinho. Aquilo lá tem outros nomes.

27 COMENTÁRIOS

  1. Felipe explica isso para o seu editor reacionário daqui do jornal, o tal tio do whatsapp esse seu argumento, o qual acho correto, em favor dos direitos humanos. O que não tem nada a ver em defender bandido.

  2. Chacina?

    Esses vermes tem muito mais poder de fogo de quê a polícia!

    Estou com pena apenas do policial que morreu, no mais o serviço foi perfeito!

    Tomara que tenha muito mais operações como estas, mas tem que matarais de 100. 25 foi muito pouco!

    Parabéns Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

    Fizeram um excelente serviço.
    Estão de parabéns!

    Dê de mamar a eles, vocês que gostam de bandidos!

  3. Chacina?

    Esses vermes tem muito mais poder de fogo de quê a polícia!

    Estou com pena apenas do policial que morreu, no mais o serviço foi perfeito!

    Tomara que tenha muito mais operações como estas, mas tem que matarais de 100. 25 foi muito pouco!

    Parabéns Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

    Fizeram um excelente serviço.
    Estão de parabéns!

    Tá com pena, leva pra casa, e dê de mamar a eles!

  4. Estão com pena, defensores de bandidos?
    Leva pra casa!

    Otimo serviço da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

    Parabéns!

    Aprovado!

    • Ou, indiretamente. Porque ação com vistas ao enfraquecimento e eliminação, como temos em outras, teve na sequência a tomada por milícias.

      Esse discurso policial de que o tráfico estava aliciando crianças é esdrúxula.
      Qual a ocupação a elas que o Estado oferece? Elas estão aliviadas há temos.
      O projeto de escola integral do Brizola/Darcy Ribeiro se continuado não estaria assim. Se o projeto UPP com Beltrame fosse executado com mais inteligência, sem pressa, e acompanhado de serviços sociais e resgatado o projeto de educação integral, também estaríamos melhor.

      E coincidentemente Cláudio Castro esteve recente com Bolsonaro…

  5. A desordem urbana é muito grande no RJ e cada centímetro perdido necessita de muita energia para ser tomado de volta. O Estado do RJ não precisa de incentivos para se desarrumar: naturalmente, culturalmente as coisas se entortam de jeito que quanto vai se tentar consertar, o estado de coisas reage contra voltar ao que deveria ser o normal: a Lei. A ordem não vai se recompor com flores e nem com conversa: se você decidir simplesmente vender algo na praia abaixo do preço médio vai tomar umas porradas dos demais vendedores. O Brasileiro, sobretudo o fluminense, é um ser territorial e de certa forma violento por natureza quando pisam no seu calo. Então, uma operação desta descambar pra tiroteio, morte e tal não é surpresa.

    Como “convencer” quem está torto a andar reto sob a Lei?! Desde que o mundo é mundo, é para isto que ao Estado foi dado o poder da coerção.

  6. Um dos problemas do Brasil é a mídia podre que incentiva a defesa de bandidos tanto de colarinho,quanto de traficantes e assassinos.
    A pergunta é: Se fosse 25 Policiais mortos alguém iria lamentar, a não ser os familiares?
    Creio que não,pois se tornou cultural aqui no Brasil defendermos Bandidos ,traficantes ,assassinos,corruptos,etc e condenarmos policiais que entram em confronto com bandidos.

    Aqui no Brasil, bandidos são os juízes e é por isso que estamos longe de sermos um pais justo.
    Nos tornamos um povo idiotizado e sem vontade de pensar no que fazer para melhorar.

    • É exatamente como no filme tropa de elite, a população como um todo quer mais que morram 100x mais “meninos inocentes” (que na verdade são traficantes bem armados). Os únicos que choram pela morte desse tipo de escória são os próprios moradores da favela, grande parte coniventes com o tráfico ou com as milícias (única forma de sobreviver ali), e os “intelectualizados” do Leblon e da grande mídia, que amam bandidos de esquerda e bandidos (de preferência negros, aí não são culpados em hipótese nenhuma, tudo vai pra conta do racismo). Do extremo oposto tem o discurso dos milicianos e da extrema direita tão corrupto e incompetente quanto a extrema esquerda. Sempre o mesmo padrão de reportagem: traficantes( que frequentemente aparecem em vídeos degolando pessoas) morrem, daí passam a virar anjinhos vítimas do sistema racista, então um intelectualzinho do movimento negro aparece e diz que a culpa é do racismo, depois vem um esquerdista dos direitos humanos para dizer que os traficantes não fizeram nada de errado. Sempre a mesma cultura tosca que atrasa esse país.

      • Tenho certeza que não. Há décadas é a mesma macro Política de Segurança adotada (no Brasil). O país não cria sua própria política tomando exemplos de iniciativas no mundo. O órgão mundial antidrogas é engessado desde décadas atrás… Não apresenta propostas. Isso porque entre os países tem aqueles cujos interesses é manter tudo como está e bate na mesma tecla apesar de não ter sucesso algum. Então alguns poucos fazem internamente suas políticas.

  7. 1 policial morto ,e 24 marginais aliciadores de menores mortos!!!Beleza!!!Garanto q os moradores honestos do Jacarezinho estão satisfeitos!!São expulsos de casa,sequestrados e mortos!!
    Que mania de NUNCA pensar nas VÍTIMAS(incluindo aí os pobres moradores), e sempre pensar no “bem estar”dos VAGABUNDOS ,q aterrorizam o lugar,e a cidade inteira????
    Quando essa baboseira,e frouxidão se instalou em parte (mínima) do povo?
    Solidariedade com as VÍTIMAS!!!Não com marginais!!!

  8. é como as guerras no exterior: as industrias armamentistas ganham muito com isso . lucro a cima da vida . combater bandido na favela “é fácil”, quero ver combater os bandidos engravatados . infelizmente sabemos que isso é desde que o mundo é mundo: o mais pobre é sempre o mais oprimido . Jesus que nos ajude .

  9. Há tempos que países (do norte) desenvolvidos reformularam a política de combate às drogas.
    Iniciativas de grupos como LEAP – alguns raros apoiadores no Brasil – com propostas no sentido de promover o avanço das políticas de drogas e soluções de justiça criminal e segurança pública.

    Law Enforcement Against Prohibition
    https://lawenforcementactionpartnership.org/

  10. Felipe Lucena, parabéns pela análise crítica do assunto!
    Já aqueles que tomam discursos e soluções simples aplaudirão a operação. O pensamento crítico não é com eles…

  11. Tudo que vc falou é lindo. Mas em um país onde se rouba toda verba pública e outra parte é pra bancar funcionários públicos q fazem parte de uma elite que está nem aí pra favelas. Enquanto não se tem tudo q vc disse, quer q é a polícia fique de braços cruzados? Tem q reprimir sim senhor. Vc não deve conhecer o abuso de criminosos dentro de uma comunidade. Vc deve ser de ONGs comunistas defensor de marginal .24 CPF cancelados, amém.

    • É sempre a mesma acusação. Pensou diferente é tachado de canhoto, vermelho, ou diretamente de socialista, comunista…

      Quanto a essa parte de bancar funcionários públicos que fazem parte de uma elite… Essa elite inclui o alto oficialato da PM e cúpula da Polícia Civil, Federal etc… Ou vai esquecer que década atrás o contracheque dos Secretário de Polícia e da Chefe de Polícia batia algo de 60 mil? Que recentemente tivemos aquele caso do coronel pedófilo amigo de Bolsonaro (tem foto juntos) ganhando 34 mil.

      Ainda sobre oficialato da PM. A exemplo das Forças Armadas, o Brasil tem um número de oficiais muito além do que proporcionalmente seria adequado. Até se comparado com países em conflitos armados.

      Moral da história: recursos com segurança pública mal gastos.

      • DANICO, governos são mestres em gastar mal a grana. O que piora no caso é que temos uma população e um estado de coisas no Estado do RJ – e isso vem de há muito tempo – em que andar reto na Lei não é algo prezado. A desordem urbana está em nossas veias. Consertar isso demanda muita energia.

      • O que uma coisa tem haver com a outra? Primeiro que ninguém criticou/chamou ninguém de esquerdista. Segundo, por que esse preconceito de achar que todo mundo que quer ver bandido/traficante morto é bolsonarista? Quero que o Bolsonaro vai se **** e também quero bandido morto, isso inclui milicianos que muitas vezes extorquem cidadãos da favela.
        Eu tenho uma teoria de que “diversidade” chama o caos social. Nenhuma sociedade consegue se desenvolver com várias tribos desconexas num mesmo território. O melhor exemplo disso é a Europa: os melhores lugares para se viver são no interior, com população homogênea e sem imigrantes. Os lugares mais violentos são nas grandes cidades que aglomeram imigrantes, em especial nos bairros (guettos) de imigrantes de London, Paris, etc.

        • “Primeiro que ninguém criticou/chamou ninguém de esquerdista.”

          Ah. Mas você fala isso e você mesmo até assim:

          Rafael disse “Vc deve ser de ONGs comunistas defensor de marginal”
          Victor disse “depois vem um esquerdista dos direitos humanos”

        • Quanto à parte final. Que tese (hein?) você ter diversidade com caos social. Muito pedante. Daqui a pouco fala que a solução passa por uma higienização…

          • Cale a boca! O Victor destruiu você totalmente nos argumentos, você não conseguiu nem debater, tente na próxima.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui