Burnout significa o colapso físico e mental causado pelo excesso de trabalho. Cada vez mais comum nos dias atuais, principalmente entre os millennials (nascidos entre 1980 – 1996), são pessoas que apesar de dar tudo de si, ainda se sentem cobrados até chegar o ponto de pifar. O pensamento é: não estou fazendo o suficiente!

Você sente o burnout quando se esgota todos os recursos internos, mas não consegue se libertar da compulsão de continuar. Essa síndrome cada vez mais comum, ataca principalmente mulheres, que trabalham em jornada dupla, estão submetidas a pressão estética e a busca pela perfeição em todos os aspectos da vida. A cobrança por tornar cada segundo da vida produtivo, de fazer mil coisas ao mesmo tempo e não se dar a chance de praticar o ócio levam ao burnout.

Os sintomas mais comuns que precedem o burnout são: falta de ar, insônia, irritabilidade, insegurança. São sensações inespecíficas que podem estar relacionadas a outros desequilíbrios físicos e mentais. Para identificar esses desequilíbrios é necessário se auto observar. Talvez você consiga mudar padrões de comportamento antes de chegar num estágio que seja necessário outros tipos de intervenção.

Para evitar os gatilhos que podem te levar a esse estágio de total esgotamento físico e mental, é fundamental colocar limites para solicitações profissionais e domésticas. O burnout se dá por excesso de pressão. É preciso perceber que há demandas que não podem ser atendidas e colocar limites. Não temos como abraçar o mundo. E tá tudo bem!

O tratamento passa por mudança de estilo de vida, melhora da alimentação, prática de exercício físico e meditação, além do controle do sono. Em casos mais sérios, talvez uso de medicamentos e acompanhamento psicológico ou psiquiátrico.

O equilíbrio entre a saúde e a doença passa pelo gerenciamento do estresse, delegar tarefas que podem ser realizadas por outras pessoas e evitar a busca exagerada pela perfeição.

Aprender a dizer não num mundo cheio de oportunidades e distrações é o ponto crucial para te salvar de um colapso!



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui