Imagem meramente ilustrativa

Nesta terça-feira (23/02), um avião com 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford/AstraZeneca chegou ao Brasil. Após pousar no Aeroporto de Guarulhos e passar pelos trâmites necessários, elas seguem para o Rio de Janeiro, onde serão entregues à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

As vacinas serão encaminhadas para Bio-Manguinhos/Fiocruz, onde irão passar por conferência de temperatura e integridade da carga, receberão etiquetas com informações em português e terão amostras encaminhadas para análise de protocolo e liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz). O processo acontecerá ao longo do dia e a previsão é de que as doses estejam prontas ainda na madrugada desta quarta-feira (24/02).

A negociação com a AstraZeneca e o Instituto Serum incluiu a aquisição de um total de dez milhões de vacinas importadas, além de dois milhões de vacinas entregues ao Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS) no dia 24 de janeiro.

O restante de oito milhões de doses será importado ao longo dos próximos dois meses, em cronograma ainda a confirmar. A importação de doses prontas da vacina é uma estratégia da Fiocruz paralela à produção de imunizantes a partir da chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), para acelerar o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Rio receberá 186 mil doses

Segundo informações do secretário de Estado de Saúde do Rio, Carlos Alberto Chaves, das duas milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca que chegaram hoje ao Brasil, 186 mil serão destinadas ao Estado do Rio. O número corresponde a 9,3% do total do lote de imunizantes, que foram produzidos no Instituto Serum, da Índia, e estão prontos para a aplicação. A informação é do Jornal O Dia.

Ainda de acordo com Chaves, as doses serão distribuídas integralmente a todos os municípios do Rio de Janeiro, que irão decidir se aplicam todas as vacinas em primeira dose ou se guardam parte para a aplicação em uma segunda etapa.

Vamos cumprir a nova orientação do PNI (Programa Nacional de Imunização). Anteriormente, nós seguramos a segunda dose porque era norma do PNI. Agora que o governo pediu para liberar geral, estamos cumprindo a nova determinação. Vamos entregar todas as doses e os municípios vão definir se aplicam todas de uma vez ou se guardam para uma segunda aplicação“, explica Carlos Alberto Chaves.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui