Escritório do Peixe Urbano - Foto: Divulgação

Após ter seu site retirado do ar em fevereiro, o Peixe Urbano, considerada a primeira startup brasileira de e-commerce local, passa por um grande problema devido às dificuldades financeiras enfrentadas pela empresa, que já foi extremamente popular no Rio de Janeiro.

Em audiência realizada na última terça-feira (30/03) no Ministério Público do Trabalho (MPT), membros da Bracks Advogados Associados, que representava o Peixe Urbano no país, revelaram que não era possível debater uma possível resolução para os débitos que a empresa tem com seus funcionários pois não conseguiam contactar o empresário chileno Nicolás Leonicio, CEO da companhia. A informação foi dada inicialmente pelo portal ”A Tarde”, vinculado ao ”Uol”.

No dia 01/03, um dos sócios do Bracks envio e-mail a Nicolás perguntando sobre o encerramento do departamento jurídico e de recursos humanos (RH) da empresa. Como a startup estava em vias de demitir praticamente todos os seus colaboradores, a Bracks não teria mais interlocutores dentro do Peixe Urbano.

”O contato tem como escopo esclarecer, da maneira mais transparente e leal possível, como ficará nossa parceria de anos, tendo em vista a situação desesperadora que o Peixe se encontra”, questionou o representante.

O CEO do Peixe Urbano, no entanto, ignorou o e-mail e, sem resposta, a Bracks fez novo contato 12 dias depois informando que não teria como manter a defesa da empresa e que só continuaria advogando para a mesma até o último dia 31/03.

O endividamento atual do Peixe Urbano, que encerrou seus escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo, está na casa dos R$ 50 milhões. A empresa tem débitos com seus ex-funcionários – todos demitidos em março – e empresas parceiras. Além disso, diversos clientes do site estão com cupons já pagos retidos na plataforma.

14 COMENTÁRIOS

    • Entre em contato com a administradora do cartão de crédito, solicitando “Desacordo comercial”. Assim eles vão analisar durante 5 dias a situação, e sendo comprovada a não entrega do produto, vão estornar seu valor nas próximas faturas.

      Decreto 6.523, de 2008. Pela lei, quando a demanda versar sobre serviço não solicitado ou cobrança indevida, a cobrança será suspensa imediatamente, salvo se o fornecedor indicar o instrumento por meio do qual o serviço foi contratado e comprovar que o valor é efetivamente devido.
      O estorno ocorre quando o consumidor efetuou o pagamento do valor indevido ou houve desacordo com o fornecedor ou se o produto comprado não for entregue e a empresa não responder às suas solicitações. Neste caso, se a compra foi parcelada e o consumidor já tiver feito o pagamento de alguma parte, ele pode pedir o estorno para a administradora do cartão, que deverá lançar o valor integral de crédito na próxima fatura.

    • FALIU !!! Estão devendo 50 milhões. Fecharam os escritórios, o site saiu do ar e tem vendedores com dezenas de milhares de reais pra receber……. não tem nem para pagar funcionário. Devem mais que algumas Mega-Sena acumuladas….. acredita mesmo que alguém vai te ligar ?

  1. Sou parceiro no peixe Urbano e eles estão me devendo mais de 10 mil reais e não recebi nada até hoje. Absurdo fazer isso com agente trabalhador.

  2. O Luciano Narigudo foi ,ou é um dos sócios!!!
    Como é muito ligado no social,e “ajudar”os necessitados não há de se furtar em ressarcir os prejuízos das pessoas q ele enganou com essa empresa q foi sócio!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui