Freixo encontra trabalhadores do Estaleiro Evani/Renave, em Niterói, nesta quarta-feira

O candidato a governador do Rio afirma que a indústria naval é fundamente para a retomada imediata de empregos

Fotos: Divulgação/Pedro Prado

Na manhã desta quarta-feira, (17/08), o candidato Marcelo Freixo (PSB) esteve no Estaleiro Enavi/Renave, em Niterói, onde realizou encontro com os trabalhadores. O postulante ao governo do Rio de Janeiro fez a travessia em ferryboat junto com os operários, em direção à empresa localizada no Parque Industrial da Vila do Viana.

Freixo afirma que a indústria naval é fundamental para a retomada imediata de empregos.

“O Rio de Janeiro perdeu 150 mil postos de trabalho no setor. O que falta ao governo estadual é liderança para se articular com o governo federal e a iniciativa privada para viabilizar investimentos. Conversei com o Lula ontem, terça-feira, (16/08), sobre isso e ele, claro, está de pleno acordo porque no governo dele a gente tinha emprego, tinha uma indústria do petróleo e gás aquecida. E emprego significa comida na mesa, dignidade, tranquilidade na vida das pessoas”, concluiu Marcelo.

O candidato a senador André Ceciliano (PT), a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) e o candidato a deputado federal Dimas Gadelha (PT) também estiveram no encontro.

Fotos: Divulgação/Pedro Prado
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Deputada Jandira Feghalli fez emendas que favorecem sindicato do marido Severino Almeida
    Hoje, já falecido. Sindmar recebeu equipamento importado de R$ 3,8 milhões graças a emendas de Jandira Feghali (PC do B); parlamentar diz que verba se destinava a universidade.

    A deputada federal Jandira Feghali (PC do B), candidata ao Senado pelo Rio, destinou R$ 3,8 milhões em emendas parlamentares em 2005 e 2006 que resultaram na instalação duma rede de simuladores aquaviários na sede do Sindmar (Sindicato Nacional dos Oficiais Marítimos), presidido por seu marido, Severino Almeida Filho.

    O dinheiro foi usado para a compra do equipamento (equivalente aos de vôo) importado dos EUA que está sendo instalado no sindicato, no centro do Rio. A aquisição dos computadores ocorreu por meio de convênio entre o sindicato e a Universidade Federal do Rio de Janeiro. A verba foi liberada para a UFRJ, mas o produto está sendo montado em um andar inteiro do Sindmar. O equipamento serve para treinar navegadores, simulando situações de crise e os habilitando a enfrentar condições adversas.

    A deputada alega que as emendas foram feitas para a universidade a pedido do reitor Aloisio Teixeira -que, diz, é seu amigo e recebeu seu apoio para a eleição na universidade. Jandira afirmou que desconhecia o local de instalação dos simuladores: “Jamais faria emenda para um sindicato. Fiz a emenda para a UFRJ, não para o Sindmar. Em dezembro de 2004, eles nem sabiam onde instalariam o simulador. A decisão foi posterior”, disse ela.
    “Não tem um centavo de dinheiro público que tenha passado pelo Sindmar, que não é dono do equipamento, mas mesmo assim investiu dinheiro para instalá-lo.” Ela contou ter sido procurada pelo reitor da UFRJ por ser parlamentar líder no setor. “Ele me procurou porque sou a deputada dele. Sou líder na marinha mercante. Que outro deputado faria?”

    Segundo ela, o convênio entre Sindmar e a UFRJ só foi assinado em outubro do ano passado. Mas tanto a universidade como o sindicato afirmaram que pediram a emenda por conta de projeto do Sindmar.

    Severino Almeida Filho disse que a entidade comprou um andar abaixo no mesmo prédio do sindicato em 2004, antes da emenda, já com vistas a abrigar os simuladores: “O estudo levou em consideração o tamanho do imóvel, 400 metros quadrados, o pé-direito. Já estávamos decididos a montar o equipamento lá”, disse.

    O reitor da UFRJ, Aloisio Teixeira, disse ter sido procurado pelo presidente do Sindmar para participar do projeto. Disse que o simulador pertence à universidade, mas fica na sede do Sindmar porque “é mais útil lá [no sindicato] do que aqui”.

    “Ficou no Sindmar porque o projeto é nosso. Procuramos a UFRJ e apresentamos. Mas investimos mais de R$ 1 milhão na compra de um imóvel, obras e viagens”, justificou Almeida.

    O simulador será usado pela UFRJ, segundo o reitor, para pesquisas na área de Engenharia Naval e cursos de extensão. “Se amanhã ou depois acharmos que o objeto da extensão não está sendo atendido, podemos trazer para cá, porque o equipamento é nosso”, disse.

    * Ex marido de Jandira Severino eve relações com delator Sérgio Machado
    Agora, ex e já morto, Severino Almeida.
    Jandira Feghali (PCdoB-RJ) levou R$ 410 mil da Queiroz Galvão, uma das empreiteiras investigadas no roubo à Petrobras, mas autoridades suspeitam que a ligação da deputada ao ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, que providenciou as doações suspeitas, decorria das relações dele com seu marido Severino Almeida, presidente de uma Conttmaf, entidade de trabalhadores da área de atuação da Transpetro. A informação é do colunita Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
    Em 2005 e 2006 Jandira Feghali destinou R$ 3,8 milhões em emendas que beneficiaram outra entidade, um sindicato presidido pelo maridão.
    Enquanto Jandira tocava de ouvido com empreiteira, seu irmão Ricardo Feghali, músico do Roupa Nova, arrumou R$2 milhões da Lei Rouanet. | Matérias divulgadas na Sucursal Folha no Rio de Janeiro

    Eles parecem que esqueceram da quantidade de ex empresários do setor naval que ainda usam tornozoleira eletrônica, outros estão presos. Meteram a mão nas licitações dos navios da Transpetro na época de Lula e Dilma. Muitos estaleiros como Mauá Jurong, Eisa, estão fechados e nem pagaram os empregados e fornecedores. E, nessa o candidato Rodrigo Neves também entra porque era PT na época.
    Muita água vai rolar, para refrescar a memória desta gente.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui