Foto: Divulgação

A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC RJ) em parceria o Instituto Singularidades esperam oferecer qualificação digital para os professores utilizarem no dia a dia da sala de aula híbrida.

O Governo do Estado do Rio, através da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC RJ), lançou, no último dia 6/01, o curso Trilha Formativa Ensino Híbrido cujo objetivo é a capacitação digital dos professores lotados na educação estadual. O curso conta com a parceria do Instituto Singularidades, instituição criada em 2001 a partir das demandas de formação de professores, gestores da educação e de especialistas de ensino para o Brasil do século XXI.

O governo espera que, através do Trilha Formativa Ensino Híbrido, os professores da rede estadual de ensino desenvolvam as suas habilidades no uso de ferramentas digitais e, dessa forma, as utilizem no dia a dia da sala de aula híbrida.

De acordo com a SEEDUC, as inscrições para a primeira turma vão até o dia 13/01. Três turmas serão montadas até o dia 25 de fevereiro. A trilha totaliza 110 horas, sendo composta por 7 cursos independentes e auto instrucionais. Os cursos digitais ficarão disponíveis por 6 meses, a partir do recebimento do e-mail com os dados de acesso, para que os inscritos percorram a trilha dentro de suas possibilidades. As inscrições para a 2ª turma vão de 14/01 a 27/01; 3ª turma, de 28/01 a 11/02, e para 4ª turma, os candidatos podem se inscrever entre 12/02 a 25/02. As inscrições podem ser feitas pelo endereço: bit.ly/trilhaensinohibrido

Abaixo os cursos oferecidos:

1. Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação (40h).

2. BNCC: Práticas e Culturas Digitais (10h).

3. Metodologias Ativas de Aprendizagem: princípios, práticas e tecnologias (20h).

4. Jogos e cultura digital na educação (10h).

5. Narrativas em vídeo na educação (10h).

6. Podcast e educação: a produção de mídia na escola (10h).

7. Narrativas gráficas para educadores (10h).

4 COMENTÁRIOS

  1. Estou fazendo este curso, mas tenho algumas perguntas:
    1º O Estado está preparado para dar suporte a sua implantação nas escolas, haja vista que o estado não consegui dar nem 1% de aumento ao servidores da educação. Por outro lado, este tipo de prática, tem como referência maior nos Estados Unidos e em São Paulo o negócio está engatinhando.
    2º Houve uma ampla discussão sobre o assunto para que promovesse um maior engajamento? Creio que não. Um dos grande problemas da educação pública no Rio de Janeiro e integração interdisciplinar e até mesmo entre professores de uma mesma disciplina. Entrei para o Estado e me deram o que hoje se chama Currículo Básico e pronto, somente faltou dizer: “vai ser feliz”. Não existe um programa comum construído que agregue professores e venha favorecer positivamente os alunos. Se for somente cursos sem programa de implantação de forma coletiva, não valerá de nada.
    3º É programa de vantagem para para grupos de interesses do Estado? Quanto está custando este curso para o Estado? Quem verdadeiramente será beneficiado pelo mesmo
    Vou continuar fazendo e aconselho aos demais professores também. É uma ferramenta maravilhosa, mesmo com as minhas interrogações. (Juarez Bastos – Professor de Sociologia da SEEDUC

  2. Questões que ficam:
    Os Professores irão ter contas de acesso à internet cobertas pela Secretaria de Estado de Educação?
    Irão receber equipamentos adequados para publicar aulas on-line (ensino à distância)?
    Irão ter ajuda adicional pelo uso intensivo e frequente de energia elétrica?
    Ter apenas treinamento, capacitação ou que nome queiram dar, não é tudo, infelizmente.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui