O Governo do Estado do Rio de Janeiro destinará um recurso financeiro de de R$ 900 mil ao laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para pesquisas científicas relacionadas ao novo coronavírus. O valor será investido para em pesquisas para aumentar a capacidade de diagnóstico da doença. A expectativa é que, por dia, 400 amostras sejam testadas com o teste molecular de PCR, que aponta a presença do SARS-CoV2 nas secreções dos pacientes.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.


O laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, coordenador pelo professor Amilcar Tanure, é uma das principais referências no Brasil para a pesquisa científica. O departamento já tem toda uma estrutura de rede voltada para a pesquisa das arboviroses, como a Zika, e, com a pandemia da Covid-19, todos os esforços da equipe se concentraram para o novo coronavírus. Nosso objetivo é maximizar a capacidade dos laboratórios fluminenses e aproveitar o talento dos pesquisadores da FAPERJ“, afirmou o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio, Jerson Lima Silva.


Aumento para 400 amostragens diárias

Segundo o coordenador do laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, professor Amilcar Tanure, desde 1º de março de 2020 os pesquisadores estão realizando testes para a Covid-19. Inicialmente, o atendimento estava restrito à comunidade universitária do Fundão, mas com a proliferação do novo vírus, fez-se necessário o auxílio a outros laboratórios.



“Quando iniciamos as testagens, eram 30 amostras por dia.  Aumentamos para 150 ao dia e, com este aporte da FAPERJ, nossa expectativa é testar 400 amostras diariamente. Isso vai ajudar a desafogar o Laboratório Central Noel Nutels (LACEN-RJ), que está atestando os diagnósticos no Rio de Janeiro, explicou o professor Tanure, que completou:



“Além disso, com o recurso do Estado, poderemos dar início às pesquisas para desenvolver um teste brasileiro de sorologia para que o país não precise importar mais”, relevou o pesquisador.


Vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, a FAPERJ, a agência de fomento à pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, deve anunciar ainda nos próximos dias um chamamento à comunidade científica fluminense para que mais projetos possam receber recursos que incentivem à pesquisa do novo coronavírus. 

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui