Governo lança cartilha para prevenir e enfrentar o bullying e cyberbullying

O objetivo da iniciativa é incentivar um ambiente de ensino saudável e livre de abusos. Serão realizados encontros, palestras, debates e outras atividades educativas

Na semana marcada pelo Dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência na Escola, o Governo do Estado lançou nesta quarta-feira (06/04) o Guia “Seeduc enfrentando o Bullying e Cyberbullying”. Na ocasião, a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) deu início a workshop que vai orientar educadores da rede estadual quanto aos novos instrumentos de trabalho disponíveis nessa área.

O evento de abertura foi realizado de forma on-line e contou com a participação de representantes do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro. O objetivo principal da iniciativa é incentivar um ambiente de ensino saudável e livre de abusos. Serão realizados encontros, palestras, debates e outras atividades educativas.

As consequências que o bullying pode causar na vida dos estudantes são gravíssimas. Sejam elas em questões pessoais, na escola ou nas relações familiares. É promovendo iniciativas como essa que o enfrentamento se torna mais efetivo, sempre com base na qualificação dos nossos educadores, no diálogo com os alunos e nas especificidades de cada unidade escolar”, pontuou o governador Cláudio Castro.

O workshop reúne, durante dois dias, pelo canal da secretaria no YouTube, as equipes técnico-pedagógicas das unidades escolares da rede estadual do Rio de Janeiro. O objetivo é orientar as escolas a trabalharem, na prática, a aplicação das “Diretrizes Gerais referentes à Prevenção e Protocolo de Enfrentamento Escolar da Intimidação Sistemática” (bullying e cyberbullying) e, também, do Guia “Seeduc enfrentando o Bullying e Cyberbullying”, novos instrumentos disponíveis para os educadores.

Não existe uma receita para combater o bullying, porque cada escola tem uma realidade diferente. O que a campanha pretende é apontar os caminhos para que os educadores tenham condições de intervir preventivamente no enfrentamento dessa prática que impacta diretamente na evasão, no rendimento escolar e no aumento da violência“, completou o secretário de Estado de Educação, Alexandre Valle.

A cartilha vai orientar sobre o que é bullying e o cyberbullying, quais as suas características e formas de expressão (verbal; psicológica e moral; sexual; física e moral; e virtual) e como a escola pode intervir preventivamente. O trabalho vai destacar, ainda, a importância da articulação intersetorial com outras políticas públicas priorizando a participação das comunidades escolares no processo de construção coletiva nas ações de prevenção e intervenção.

Além disso, a ideia é demonstrar o fluxo de comunicação em situação de bullying que deve ser seguido pelos gestores escolares, e onde encontrar informações sobre unidades de saúde que possam atender cada escola. O documento também disponibiliza uma ficha de comunicação de situações de bullying, garantindo o registro das informações necessárias para a comunicação aos órgãos competentes e devidas providências. O segundo dia do evento será transmitido no YouTube, pelo link https://www.youtube.com/seeducrio.

Lembranças do Massacre de Realengo

A data foi instituída no dia 7 de abril de 2016, como forma de chamar atenção para os problemas causados pelo bullying e estimular a reflexão sobre o tema. O projeto de lei da Câmara Federal que deu origem à norma foi aprovado no dia 7 de abril de 2016, cinco anos depois do massacre de Realengo. Neste bairro do Rio de Janeiro, na Escola Municipal Tasso da Silveira, 12 alunos foram assassinados a tiros por um ex-estudante do colégio, que se suicidou logo após o crime. Ele tinha um histórico de bullying no período escolar.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui