extinto lago na antiga lavra da pedreira Santa Luzia, Água Santa (foto de 2005)

A tradicional região de Água Santa tem memórias engarrafadas em cima da história de uma fonte que jorra até os tempos atuais.

Água Santa

Em 1888, Domingos Camões, um ex-escravo, descobriu na região onde hoje fica o bairro de Água Santa uma fonte de água mineral. Foi a segunda fonte hidromineral do Rio de Janeiro.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

A partir de 1909, Domingos Camões passou a engarrafar a água que jorrava da fonte e distribuir por diversas regiões da cidade. Ele fazia o transporte das garrafas (que eram de cinco litros) com o auxílio de burros de carga.

Paróquia Santo Antônio do bairro Água Santa

Com o passar do tempo, essa fonte d’água ficou conhecida nos arredores do atual bairro como “Água Santa”, o que, posteriormente, resultou no nome do bairro.

Em 1914, surgiu a empresa de Águas Santa Cruz Ltda., que se mantém até os dias atuais, no bairro Água Santa, que perpetua o nome da fonte”, conta o pesquisador Robson Letiere, autor do livro “Rio Bairros”.

extinto lago na antiga lavra da pedreira Santa Luzia, Água Santa (foto de 2005)

Hoje em dia, o bairro se mantém nos dias atuais sem perder a ponte com o passado.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui