Muitos cariocas têm memórias afetivas da Mesbla. Mas essa história vai além de memórias pessoais. O DIÁRIO DO RIO conta um pouco dela.

Tudo começou na Rua da Assembleia, número 83, no Centro do Rio. No local foi instalada, em 1912, uma filial da firma Mestre & Blatgé, com sede em Paris e especializada no comércio de máquinas e equipamentos.

No entanto, a filial brasileira tinha pouca importância dentro da organização francesa espalhada pelo mundo. Quatro anos depois de sua instalação, em 1916, sua administração foi entregue ao francês Louis La Saigne, até então subgerente da filial em Buenos Aires.

Já em 1924 La Saigne transformou o estabelecimento carioca em uma firma autônoma, com o nome de Sociedade Anônima Brasileira Estabelecimentos Mestre et Blatgé, que em 1939 passou a denominar-se Mesbla S.A.

“Esse novo nome era uma combinação das primeiras sílabas do nome original, que foi sugerida pela secretária de Louis La Saigne, Isaura, por meio de um concurso interno. Existia a preocupação porque no início da Segunda Guerra Mundial a França se manifestou solidária a Adolf Hitler, o que poderia ocasionar represálias no Brasil com referência ao nome”, informa o pesquisador Marcelo Costa.

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

La Saigne teve quatro filhas, e a mais velha casou-se com Henrique de Botton. Após um dia de intenso trabalho, Louis La Saigne, o fundador da Mesbla, morreu em sua residência na noite do dia 18 de janeiro de 1961.

Com sua morte foram eleitos presidente e vice-presidente dois de seus mais antigos funcionários, respectivamente, Silvano Santos Cardoso e Henrique de Botton.

Na década de 1950 a empresa tinha lojas instaladas nas principais capitais do país e em algumas cidades do interior. Em 1952, que a Mesbla abriu sua primeira loja de departamentos, no prédio da Rua do Passeio, no centro do Rio de Janeiro. A diversificação de atividades nas décadas de 60 e 70 transformou a Mesbla em uma das maiores empresas do país.

Nos anos 1980 a Mesbla tinha 180 pontos de venda e empregava 28 mil pessoas. Suas lojas de grande porte, com áreas raramente inferiores a 3 mil metros quadrados, eram pontos de referência nas cidades onde a Mesbla se fazia presente.

Os funcionários diziam que a Mesbla só não vendia caixões funerários, que são para os mortos; para os vivos tinham todas as mercadorias, desde botões até automóveis, lanchas e aviões.

A Mesbla encerrou suas atividades em 1999, quando decretou falência. As memórias pessoais ficam.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

7 COMENTÁRIOS

  1. me lembro muito bem tem ate uma historia de um amigo do meu esposo esse amigo bebia muito um belo dia ele entrou na loja e dentro vitrine viu uma enceradeira agarrou-a gritando que era um jacaré ai colocaram o apelido nele de jacaré isto foi mais ou menos em 1971

  2. Trabalhei na Mesbla passeio nos anos 80, departamento de óptica, uma empresa ímpar, verdadeira família . Ainda hoje sou tomado de profundas saudades, conheci o Sr. Henrique, Sr André e família, muito orgulho de ser mesblano.

  3. Alem de ser uma enorme loja de departamentos, no último andar da loja da Rua do Passeio, funcionava o Teatro Mesbla. Vi grandes peças nele. Saudades. Hoje restou o relógio rsrsrs

  4. Fui diretor de arte e de criação da houseagency da Mesbla (Provarejo) de 1985 a 90, em São Cristóvão. Com muito orgulho. Cercado de colegas e parceiros competentes e brilhantes e também orientado inicialmente pelo estímulo de criar mensagens elevadoras de imagem, conseguimos neste período transformar para melhor o desejo popular de procura pelos produtos à venda em suas lojas. Talvez o mais expressivo disso tenha sido “o cliente fazia questão de mostrar as sacolas com a marca Mesbla, coisa que antes não fazia”. A Provarejo foi, neste período, fartamente premiada por colunistas de propaganda e órgãos de comunicação. Dentre tais prêmios cabe destacar o Profissionais do Ano da Rede Globo de 1987 com o Grand Prix de Campanha, prêmio este votado por um júri de profissionais de criação do mercado. Isso comprova total isenção de parcialidade já que contraria a tendência, até certo ponto natural, de não enaltecer a qualidade de uma house agency. Saudade desse tempo, saudade da Mesbla e dos amigos que fiz por lá e que se espalharam por grandes empresas do Brasil e do mundo.

  5. Tenho muitas saudades da Mesbla do Passeio. Trabalhava ali perto e era raro o dia em que não fazia alguma compra lá. Ainda possuo alguns objetos adquiridos nessa grande loja. Pfv façam uma reportagem sobre os motivos da falência. Gostavauitob bom da Sears de Botafogo. Façam tbm uma reportagem sobre sua história.

  6. Frequentei muito essa maravilhosa loja de departamentos nas décadas de 1980/1990. Realmente, lá só não tinha caixões para defuntos. Atendimento muito bom, funcionários atenciosos e muita variedade de produtos. Senti muita falta da Mesbla e da Sears. Mas, tudo nesta vida passa!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui