Breve História da Praça Saens Peña, o Largo da Fábrica de Chita

Famosa em todo o Rio de Janeiro, essa Praça tem uma rica história. Memórias importantes para diversos momentos do passado da Cidade Maravilhosa.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

Até 1820, a Tijuca era uma área extremamente rural. A região era composta por chácaras particulares e fazendas de café. 

Fábrica de Chitas

 

Nesse período, onde hoje fica a Praça Saens Peña, foi instalada uma estamparia que manufaturava tecidos indianos – considerada uma das primeiras indústrias do país. A fábrica ficou conhecida como “Fábrica de Chitas”.

Devido à estamparia, a área onde hoje fica a Praça Saens Peña passou a ser chamada de Largo da Fábrica de Chitas”, conta o historiador Mauricio Santos.

Largo da Fábrica de Chita – Tijuca – 1910

Antes dessa fábrica, Tijuca era um bairro que servia de veraneio da aristocracia carioca. O Imperador D. Pedro II costumava passar dias de folga na região.

Em 1911, o Largo da Fábrica das Chitas foi rebatizado como Praça Sáenz Peña, em homenagem aos ex-presidentes argentinos Luis e Roque Sáenz Peña, que governaram o país entre 1892 e 1895, e 1910 e 1914, respectivamente.

Praça nos anos 1940
Praça nos anos 1940

Com o tempo, a Praça se tornou um ponto de encontro e de atividades culturais. Teatros de rua, bandas e outros artistas se apresentavam livremente no local. Além dos cinemas.

A região próxima à Praça chegou a ter um número tão considerável de cinemas que passou a ser chamada de “Cinelândia da Tijuca”.

Os cinemas da região viviam lotados de pessoas

Dispondo de 14 cinemas, consagrava-se como bairro que abrigava um dos maiores números de salas de exibição cinematográfica do Rio de Janeiro”, escreveu Sonia Rabello na revista Rota Tijucana, em setembro de 2011.

Com o passar dos anos, os cinemas foram fechados e o apelido se foi. Contudo, a Praça e as memórias seguem abertas, vivas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here