Quinta da Boa Vista

Conhecido como o “Bairro Imperial do Rio de Janeiro”, São Cristóvão é uma região de suma importância para a Cidade Maravilhosa. São Cristóvão começou a se destacar em 1810, quando o príncipe-regente Dom João XVI adotou o Paço da Quinta da Boa Vista como residência oficial. Antes disso, a região que virou bairro era extremamente natural, com praias e área verde.

Paço Imperial de São Cristóvão (hoje Museu Nacional)

A chegada da Família Real provocou uma série de transformações no bairro. Entre elas, a instalação de iluminação pública. Após isso, a nobreza mudou-se para São Cristóvão. A famosa Marquesa de Santos foi uma das nobres que foi morar no bairro.

“Muitos foram os acontecimentos marcantes para o país que ocorreram em São Cristóvão. A Família Real morou lá por anos, Dom Pedro I viveu lá e seu filho, Pedro II, governou (de sua residência no bairro) o Brasil por quase 50 anos”, destaca o historiador Maurício Santos.

Igreja de São Cristóvão

A primeira linha de telefone da América do Sul tinha central em São Cristóvão. Isso se deu durante o governo de Dom Pedro II. O imperador inaugurou, também, o Observatório Nacional do Rio de Janeiro, um centro de estudos avançados em astronomia que ainda hoje é um dos principais espaços dedicados à ciência no Brasil.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

Já no século XX, São Cristóvão passou a ter uma intensa atividade industrial. Chegou a ser considerado o bairro mais industrializado da América do Sul.

Campo de São Cristóvão, inaugurado em 1906

Mesmo hoje em dia, São Cristóvão segue crescendo e se desenvolvendo. Atualmente é o comércio quem dita o ritmo da economia do bairro. Muitos dos’ antigos casarões do período imperial são utilizados como lojas.

Quinta da Boa Vista, atualmente

4 COMENTÁRIOS

  1. Adorei a matéria. O bairro onde moro, Caju, fazia parte de São Cristovão. Era lá que a família real portuguesa “viajava” de carruagem – passava pela Igrejinha de São Cristovão para rezar (como bons católicos que eram) – até chegar na Praia do Caju. Lá eles tomavam banho de mar, por recomendação médica para benefício da saúde. Curiosidades interessantes: na Praia do Caju foi onde oficialmente surgiu o hábito dos “não nativos” tomar banho de mar. E mais tarde, também é onde temos notícia das primeiras práticas do Vôlei de Praia nas areias da antiga Praia, nos anos de 1950, por membros da Polícia do Exército e remadores do São Cristóvão de Futebol e Regatas.

  2. São Cristóvão, sempre foi tudo de bom,
    Nasci e me criei nesse bairro, e sempre tive satisfação desse bairro.próximo de tudo, centro, zoma sul e a própria Quinta da Boa Vista um imenso quintal,tudo de bom. Ps.por favor salvem o nosso bairro.

  3. – Ainda estou em choque com o incêndio criminoso do Museu, que estou convencido, foi para encobrir o roubo de algo valioso, vai ser imensamente difícil provar tal teoria.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui