O Rio de Janeiro é uma cidade que, por tradição, tem grandes hotéis. O Copacabana Palace é referência, mas existem outros, obviamente. Uns não vivem bons momentos, como o Glória, que está correndo risco de ser implodido. Outros, estão de volta após um período de incertezas, caso do Hotel Nacional.

O Hotel Nacional, em São Conrado (com uma bela vista para a praia) foi fundado em 1972, pelo empresário José Tjurs, proprietário da antiga rede de hotéis Horsa.

O imponente projeto do Hotel, de estilo vanguardista, é de Oscar Niemeyer. Mantendo o nível de criatividade e talento alto, os jardins foram idealizados pelo paisagista Burle Marx.

No planejamento original estavam previstos 55 andares. No entanto, José Tjurs preferiu construir 34 pavimentos nos 80 mil metros quadrados. O antigo centro de convenções do Hotel tinha capacidade para 2.800 pessoas e um teatro para 1.400 espectadores, onde se apresentaram artistas de renome como Liza Minnelli, B. B. King e Tim Maia.

“Chegou a ser considerado o mais importante e moderno hotel da América Latina. Muitos artistas preferiam o Nacional ao Palace e isso gerava uma certa, e boa, rivalidade”, conta o arquiteto Heleno da Costa.

No Hotel Nacional eram realizados festivais de grande porte, como o Free Jazz.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O edifício foi tombado em 1998. Mas esse já foi um período não tão bom para o Hotel. Com dificuldades financeiras, a rede de hotéis Horsa vendeu o Nacional para a empresa Interunion Capitalização e a mesma foi à falência no início dos anos 1990.

Em 1995, o Hotel foi fechado e o imóvel passou para as mãos da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda.

No ano 2003, Donald Trump, à época empresário, manifestou interesse em reformar o Hotel, contudo, a ideia não foi adiante. Em 2009, o Hotel Nacional foi arrematado por R$ 85 milhões pelo empresário Marcelo Gonçalves.

Após anos fechado, o Hotel começou a ser restaurado em março de 2015. A rede espanhola de hotéis Meliá assumiria a gestão do Hotel Nacional por 20 anos. O Hotel foi reinaugurado no dia 15 de dezembro de 2016 com o nome Gran Meliá Nacional Rio de Janeiro.

Todavia, em março de 2018, 15 meses após a reinauguração do Hotel Nacional, o grupo Meliá Hotels International encerrou suas operações no edifício.

Passado mais de um ano, um novo capítulo da história acontece nesta quinta-feira, 24/10. O Hotel Nacional será reaberto. Vida longa ao espaço que, com justiça, já rivalizou com o Copacabana Palace.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui