História do Largo da Carioca

É difícil acreditar que a movimentada região já foi considerada uma área isolada do centro do Rio de Janeiro, cercada de manguezais, lagoas e morros. Pois esse é o início da história do Largo da Carioca, um dos mais importantes capítulos das páginas da Cidade Maravilhosa.

Com mais de meio século no mercado imobiliário, a Sergio Castro Imóveis valoriza toda a evolução do patrimônio do Rio de Janeiro e felicita realizações que conservam vivas as memórias da nossa cidade.

Largo da Carioca em 1608

Em 1592, às margens da Lagoa Santo Antônio, que ficava onde hoje é o Largo, uma pequena ermida foi erguida pelos freis franciscanos. Alguns anos depois, iniciou-se a construção do Convento de Santo Antônio. No ano de 1615, sete anos após o início da obra, foi inaugurada uma parte do Convento, além da Igreja de Santo Antônio. Para drenar a lagoa, os franciscanos abriram uma vala. O trajeto da vala deu origem à Rua da Vala, atual Rua Uruguaiana.

“A cavação dessa vala foi motivada pela reclamação dos monges. O lugar tinha muitos mosquitos, só uma secada na lagoa poderia aliviar o que para os monges era um verdadeiro inferno”,disse o historiador Maurício Santos.

Morro de Santo Antônio. A Igreja da Ordem Terceira é a da direita, com três corpos. Os edifícios à esquerda são a igreja e convento de Santo Antôni

Com a instalação da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência (VOT), vieram mais mudanças. Em 1619 foi iniciada a construção da Capela da Ordem, anexa à Igreja do Convento, sendo inaugurada em 1622. Em 1633, começou a obra de um novo templo, a atual Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, concluída em 1773. No ano de 1933, passou a funcionar, neste conjunto arquitetônico, um Museu de Arte Sacra, referência no assunto no Brasil.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O século XVI ficou marcado também por outras simbólicas reformas, que não foram de cunho religioso. Sob o governo de Antônio de Brito Freire de Menezes (1717-1719), iniciaram-se as obras de instalação de canos de água através da antiga Rua dos Barbonos (atual Rua Evaristo da Veiga) para trazer, para a cidade, as águas do Rio Carioca.

Chafariz do Largo da Carioca

Nessa mesma época, foi erguido no Campo de Santo Antônio, pelo governador Gomes Freire de Andrade, um posto policial militar destinado a conter os frequentes conflitos entre os escravos carregadores de água no chafariz, tendo ficado conhecido pela população como Guarda Velha.

O novo Chafariz

Projetado pelo arquiteto Grandjean de Montigny, o novo chafariz ficou pronto em 1834, no mesmo local. A obra foi demolida em 1925.

Mais de duas décadas depois, outra demolição marcou a história do Largo da Carioca. Uma parte do Morro de Santo Antônio foi posta abaixo para a construção do Parque Eduardo Gomes, entretanto a parte onde está localizado o convento e as igrejas foi preservada. Sob o aterro que desceu, foram abertas as avenidas República do Chile e República do Paraguai.

Avenida República do Chile por Rodrigo Soldon

Foram feitas grandes modificações nesse espaço na década de 1970, quando quase todos os prédios antigos do largo foram derrubados.

Além dos momentos históricos, o Largo da Carioca sempre teve uma vocação para as artes. É comum ver artistas dos mais diversos gêneros e seguimentos expondo suas obras no local.

“Frequentado por senhores e escravos, nobres e plebeus, devotos e aventureiros, capitalistas e operários, estudantes e mestres, nada pode ser tão carioca quanto o Largo” diz um trecho da publicação “Largo da Carioca 1608 a 1999 – Um passeio no tempo”, que tem texto e arte de Carlos Gustavo Nunes Pereira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here