Vai começar o considerado maior festival de música do mundo. O Rock in Rio, que teve sua primeira edição há mais de 30 anos, tem muita história para contar.

A primeira edição foi em 1985, no mês de janeiro. Uma cidade do Rock foi montada no Rio Centro, bem próximo de onde é a atual. Inclusive, neste ano tem uma referência a esse histórico dia – um grande tênis sujo de lama. Foram muitas as atrações que marcaram este ano. Mas, a do Queen, definitivamente, entrou para a história.

A Cidade do Rock de 1985 tinha um terreno de 250 mil metros quadrados e contava com o maior palco do mundo já construído até então: com 5 mil metros de área, além de 2 imensos fast foods, 2 shopping centers com 50 lojas, 2 centros de atendimento médico e uma grande infraestrutura para atender a quase 1,5 milhão de pessoas.

Essas Cidade do Rock foi demolida por ordem do então governador do estado do Rio de Janeiro, Leonel Brizola. A organização do festival pediu ocupação provisória do terreno, com o intuito de manter a sua posse, após o fim do evento, caracterizando invasão de propriedade pública. No entanto, Leonel Brizola decretou sua demolição para efetuar a reintegração de posse do terreno patrimônio da cidade do Rio de Janeiro.

Entre 18 e 26 de janeiro de 1991, o Rock in Rio voltou, tendo sua edição número II. A segunda edição do evento foi realizada no Maracanã, cujo gramado foi adaptado para receber o palco e os espectadores (700 mil pessoas, em 9 dias de evento), que também puderam assistir ao evento das arquibancadas do estádio – por preços um pouco maiores do que aqueles do gramado.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

O terceiro Rock in Rio aconteceu no ano de 2001. Foram mais de 150 atrações na edição que ganhou a frase “por um mundo melhor”. Após novo hiato, o ano de 2001 viu a realização do Rock in Rio III, nos dias 12 a 14 e 18 a 21 de janeiro. Os organizadores decidiram construir uma nova Cidade do Rock, no mesmo local onde foi a primeira, com a inédita capacidade de 250 mil espectadores por dia e “tendas” alternativas onde realizaram-se concertos paralelos aos do palco principal.

Após edições do evento em Portugal, o Rock in Rio em Lisboa, em 2011, ele voltou ao Brasil, ao Rio de Janeiro, onde vem sendo realizado de 2 em 2 anos. Neste ano, a Prefeitura do Rio construiu um novo local permanente que permite uma maior periodicidade do evento.

Esse mesmo local, o Parque dos Atletas, continuou recendo as duas edições seguintes, a de 2013 e 2015. Sempre com grandes atrações e sucesso de público.

Já em 2017, o grande evento passou a ser realizado no Parque Olímpico – com proporções ainda maiores. E é lá que vai acontecer a edição deste ano, que terá uma grande cobertura do DIÁRIO DO RIO. A expectativa é a maior possível, como sempre.

“Conseguimos o mais difícil. O Rock in Rio proporciona experiências inesquecíveis pra todos os públicos. Nos palcos têm metal, pop, rock, MPB, tem de tudo”, afirma Roberto Medina, criador do evento e que disse na coletiva deste ano que o Festival chegou à perfeição que ele tanto buscou ao longo dos anos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui