Tapete Fluminense

Ontem, 27 de Dezembro, foi decidido em 2ª instância que a Portuguesa jogará na Série B e o Fluminense, por isso, continuará na Série A do Brasileirão. Não quero entrar no mérito se foi ou não Tapetão, não me parece que foi, a Portuguesa cometeu um deslize que lhe custou a permanência na elite do futebol brasileiro, a legislação esportiva está errada ao não prever a publicação? Sim, mas é o acordo deles, agora a Portuguesa vai recorrer ao Poder Judiciário, melhor, a Justiça comum onde provavelmente terão mais chances.

O grande problema foi a derrota moral do time do Fluminense. Não para os tricolores que comemoraram a decisão de ontem como fosse fim de campeonato, se estivesse no lugar deles provavelmente faria o mesmo. O caso é que pela 3ª vez o time de Laranjeiras consegue se livrar de jogar pela 2ª divisão devido a decisões extra-campos e isso marca. Para sempre os rivais gritarão “torcida tapetão” ou similar.

Vou deixar um texto de Luiz Octávio Gonçalves que faz a leitura de dois prejuízos para o Tricolor. Concordo plenamente:

Acho que são dois os prejuízos do Fluminense. Um obviamente é de imagem. Tendo ou não tendo razão, para o distinto público, principalmente fora do Rio, fica a impressão de que é um time que vive na e da mamata. Em termos financeiros, é fato que a imagem e a marca Fluminense hoje valem muito menos do que valiam dois meses atrás.

O segundo prejuízo é político. É grande a chance de o Fluminense ser punido por “arbitragens mais rígidas” e ser impedido por “forças ocultas” de conquistar títulos nacionais nos próximos anos. Afinal, depois de todo esse espetáculo midiático, alguns (muitos, em especial em SP e fora do Rio onde a CBF e o STJD são mais do que nunca vistos como favoráveis aos times cariocas) veriam um eventual título brasileiro do Fluminense como a desmoralização total e absoluta da CBF.

Por fim, sugiro que pesquisem sobre a história do Glasgow Rangers da escócia. Um time que passou por problemas financeiros e faliu em 2012. O clube foi excluído da 1a Divisão da Escócia.

Depois de retornar as atividades, surgiu uma discussão jurídica: o novo Rangers voltaria direto para a 1a divisão ou não? Em votação realizada entre os próprios torcedores do time foi escolhido que o Rangers deveria evitar pedir ajuda para a Federação e começar de novo da 4a divisão para conquistar o retorno para a liga principal em campo. Tudo para evitar que em qualquer época se dissesse que o Rangers foi ajudado injustamente pela federação da Escócia. Tudo para que pudessem dizer: “caímos, mas levantamos sozinhos”.

PS: Isso ocorreu em 2012. Em 2013 o Rangers foi campeão da 4a divisão escocesa e a sua média de público superou a média de todos times que disputam a 1a divisão da Escócia.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui