Cartão Postal Hotel Gloria

O primeiro prédio em concreto armado da América do Sul e o primeiro hotel a receber a classificação de cinco estrelas do Brasil. Isso e muito mais faz parte da história do Hotel Glória.

Inaugurado no dia 15 de agosto de 1920, o Hotel Glória logo foi sucesso. A proximidade com o centro cultural, financeiro e político da cidade do Rio de Janeiro (que na época era capital do Brasil) fez com que o estabelecimento caísse nas graças dos grandes artistas do cinema, cantores, políticos e chefes de Estado.

Quadro a óleo de Nicolau Antoine Taunay, datado de c. 1819, retratando os fundos de uma bela mansão na Glória no terreno onde hoje está o Hotel Gloria
Quadro a óleo de Nicolau Antoine Taunay, datado de c. 1819, retratando os fundos de uma bela mansão na Glória no terreno onde hoje está o Hotel Gloria

Ao que conta a História, esta casa [onde hoje fica o Hotel] foi adquirida em 1857 pelo inglês John Frederick Russel, o primeiro empresário a propor um sistema de tratamento de esgotos eficiente para a cidade do Rio de Janeiro. Aí por volta de 1858, o pintor e desenhista Piet Gotfried Bertichen retratou a casa de Russel para uma gravura impressa em litografia. Pelo desenho de Bertichen, ou Russel demoliu as platibandas e fez um telhado tradicional, com beiral de telhas de herança colonial; ou são duas casas diferentes, tendo sido a anterior demolida em algum tempo e feita a que Russel habitou e que existiu até ser demolida em 1920, para dar lugar ao atual Hotel Glória. Em minha humilde opinião, o beiral que escondia o telhado, elemento tão ao gosto do vocabulário Neoclássico, não funcionou como devia, deve ter dado problemas com infiltrações e, em algum momento, a platibanda foi abaixo e deu lugar a um beiral de telhas capa-e-canal semelhante ao que existia nas construções do tempo da Colônia. Seja como for, nada mais disso existe e o que está lá é o Hotel Glória, edificado em 1920/22 pelo empresário Octávio da Rocha Miranda com projeto dos arquitetos Joseph Gire e Sylvio Riedlinger” informa o historiador Milton Teixeira.

Hotel Gloria

O Hotel, erguido para receber convidados que chegaram ao Brasil para as comemorações do Centenário da Independência, também ficou famoso pelos eventos que eram realizados lá. Entre eles, convenções, congressos e bailes de formaturas de grande porte.

Além disso, também acontecia no Hotel o famoso Concurso de Fantasias de Carnaval. Em 2008 (oito anos após o fechamento), o Hotel, que pertencia à família Tapajós, foi vendido por R$ 80 milhões ao empresário Eike Batista.

Hotel Gloria em 2007 por Nico Normand

No ano passado, Eike Batista vendeu o Hotel Glória por cerca de R$ 500 milhões para o fundo suíço Acron AG. A empresa tem como objetivo reinaugurar o estabelecimento para as Olimpíadas de 2016.

Segundo o Acron, após a revitalização, o Hotel Glória terá 352 quartos, restaurantes, um teatro, lojas, um ginásio e uma piscina com vista para o Pão de Açúcar.

Em abril deste ano, o Jornal O Dia publicou uma matéria denunciando que o Hotel Glória corria o risco de ser invadido por pessoas sem-teto. As obras prometidas para o estabelecimento estão mais paradas que andando e o prédio se encontra praticamente abandonado.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com quase setenta anos no mercado imobiliário, a Sérgio Castro Imóveis deseja que problemas envolvendo construções históricas da nossa Cidade Maravilhosa sejam solucionados para que possamos ter ainda mais orgulho do nosso Rio de Janeiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui