Foto: ASCOM

Nesta quarta-feira (14/08), a Comissão Especial que acompanha a intervenção da Prefeitura do Rio de Janeiro no sistema BRT realizou, na Sala das Comissões da Câmara do Rio, uma audiência para ouvir o ex-interventor Luiz Alfredo Salomão. A reunião foi comandada pelos vereadores Átila A. Nunes (MDB) e Willian Coelho (MDB), respectivamente presidente e relator da Comissão.

Luiz Alfredo Salomão apresentou dados do relatório elaborado pela intervenção, que durou 6 meses. Dentre os problemas apontados, estão a falta de um processo licitatório para a concessão, a deterioração da infraestrutura, o declínio da frota e o vandalismo nas estações.

”Houve também falhas de projeto e de execução da obra, sendo o principal ‘calcanhar de Aquiles’ a Transoeste. A pista de asfalto foi feita em terreno inadequado, com argila mole embaixo, com muitos lençóis freáticos. Nós a recuperamos, mas isso vai durar seis meses no máximo. É dinheiro do contribuinte que vai ser gasto em um projeto equivocado e feito às pressas”, pontua.

Outro ponto citado por Salomão foi a situação das estações, que estão se deteriorando ao longo do tempo, tendo algumas sido completamente abandonadas. ”No ramal da Avenida Cesário de Melo, têm 22 estações que foram abandonadas e vandalizadas”, disse.

A recuperação das estações e a reabertura do Corredor Cesário de Melo foram algumas das recomendações apontadas pelo ex-interventor, que citou outras sugestões para a melhoria do sistema, tais como a avaliação permanente da qualidade, a consolidação de novas premissas do plano operacional, a consolidação das mudanças contratuais efetuadas e a reconstrução da pista Transoeste.

BRT Transoeste foi inaugurado em 2012 – Foto: Reprodução/Internet

O vereador Átila A. Nunes demonstrou preocupação com o acordo feito pela Prefeitura que transfere para a Rio Ônibus a administração do consórcio BRT.

”Queremos entender como ficará a parte jurídica. Dentro de um novo acordo realizado pela Prefeitura, quais são os compromissos de fato assumidos? Caso não haja esse aumento da frota, nem a melhoria nas estações, o que poderá acontecer? Isso não ficou claro”, questionou.

O vereador Willian Coelho também tem dúvidas se as empresas de ônibus vão realmente investir na segurança das estações do BRT.

”Fica uma dúvida se realmente isso vai acontecer, se a Rio Ônibus vai cumprir todas as exigências colocadas pelo Poder Público”.

A Comissão Especial pretende agora realizar diligências, indo até as estações do BRT para ver quais alterações prometidas no sistema já estão sendo realizadas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui