Mobilidade UrbanaA melhoria do sistema de transporte depende da avaliação dos serviços, através de monitoramento constante, que pode indicar mudanças de rumo e a adoção de políticas públicas para o setor. A criação de indicadores com essa finalidade na cidade do Rio de Janeiro é o objetivo principal da indicação legislativa que encaminhei à prefeitura, através da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), para a criação de um programa permanente de indicadores de mobilidade urbana sustentável.

Mobilidade urbana eficiente tornou-se questão fundamental para o desenvolvimento sustentável das cidades, que devem atender as necessidades dos habitantes de se deslocar livremente e em tempo razoável, gerando impacto direto na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.

O Rio de Janeiro deve adotar uma política de Mobilidade Urbana Sustentável, reunindo as políticas de transporte e de circulação integrada e a de desenvolvimento urbano, com a finalidade de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço urbano, priorizando os modos de transporte coletivo e os não motorizados, de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável.

A ideia é que a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro submeta um conjunto de indicadores de mobilidade urbana sustentável a especialistas que atuam no setor, para análise. Em seguida, os indicadores devem ser aplicados para monitorar a situação fática da mobilidade no município.

Sugeri à prefeitura a adoção de um modelo semelhante ao do Índice de Mobilidade Urbana Sustentável (IMUS), ferramenta de diagnóstico desenvolvida por pesquisadores da USP, que pretende avaliar nove domínios: acessibilidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida; aspectos ambientais; aspectos sociais; aspectos políticos; infraestrutura de transportes; modos não motorizados; planejamento integrado; tráfego e circulação urbana; e sistemas de transporte de passageiros.

A metodologia utilizada pelo IMUS propõe a utilização de 87 indicadores. Dentre estes: número de travessias adaptadas para pessoas com mobilidade reduzida, população exposta ao ruído de tráfego, informação disponível ao cidadão, integração entre as esferas de governo, vias pavimentadas, sinalização viária, efetivação e continuidade das ações, acidentes de trânsito, extensão da rede de transporte público.

29 anos, advogado, é o mais jovem eleito para a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, na qual é membro da Comissão Permanente de Justiça e Redação. Presidiu a Atlética de Direito, o Centro Acadêmico de Direito e o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da PUC. Foi um dos criadores do Movimento Ficha Limpa e, atualmente, preside a Juventude Progressista. É pós-graduado em Direito Fiscal pela PUC-Rio e cursa pós-graduação em Administração Pública na FGV e Gerência e Gestão de Projetos na UFRJ.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui