Escola de Deficientes Visuais Melvin Jones - Reabilita Lions.

A tecnologia está inserida no dia a dia de praticamente toda a população. São computadores, notebooks, netbooks, tablets, smartphone. Diante desse cenário, a inclusão digital se faz necessária para todos. Ligar um computador, digitar um texto, acessar a internet podem ser tarefas corriqueiras para uns. Mas, para muitas pessoas com deficiência visual, esse ainda pode ser o mundo do desconhecido.

O Brasil tem hoje, segundo o último censo do IBGE, 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual (582 mil delas são cegas) e a inclusão digital deste grupo de brasileiros ainda é um desafio.

Em 1925, na Convenção Internacional dos Clubes Lions, Helen Keller lançou o desafio para que os clubes em todo mundo, fossem: “paladinos dos cegos na cruzada contra a escuridão”. Keller, ficou cega e surda aos 18 meses de vida. Aprendeu a linguagem de sinais e braile com ajuda de uma professora. Anos depois, aprendeu falar, mesmo sem conseguir ouvir.

Inspirados nesta frase e na máxima de que a acessibilidade é um direito que garante as pessoas com deficiência a oportunidade de obter prestação de serviços, educação formal, capacitação e inclusão social, voluntários dos clubes Lions de: Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis e Xerém reuniram-se e desde 2016, funciona o projeto batizado de: Escola de Deficientes Visuais Melvin Jones – Reabilita Lions.

Escola de Deficientes Visuais Melvin Jones – Reabilita Lions.

Nesta escola é oferecido gratuitamente, um curso de informática para deficientes visuais ou pessoas baixa visão. O objetivo é inserir essas pessoas na era da informática. Nas aulas, são ensinados todo processo de utilização do computador, o acesso as redes sociais, sua utilização como ferramenta de trabalho, estudo e pesquisa. Desta forma, dando verdadeiro sentido a palavra: inclusão digital.
Os computadores são os mesmos utilizados por pessoas que enxergam, com sistema Windows e o mouse é dispensável já que toda condução do computador para uma pessoa cega, é feita pelo teclado (aquele com tracinho nas letras J e F).

Segundo o professor de Informática, Hélio Orrico, que é deficiente visual, o curso tem função para a vida social “seja no lazer, nos estudos, para conseguir um trabalho. Via tecnologia, podemos fazer o que quisermos, pois somos capazes. O deficiente precisa de oportunidade e qualificação” afirma.
Além da informática para deficientes visuais, há curso de braile e uma biblioteca com livros em braile. As aulas ainda contam com auxílio da professora Edicléa Mascarenhas e de alunos do Núcleo de Educação Especial e Inclusiva da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (NEEI/UERJ). Doações de computadores ou peças boas para utilização (monitores, gabinete, teclados) para montagem de novos aparelhos, são bem vindas.

SERVIÇO:
Curso de Informática para Deficientes Visuais – gratuito
Endereço: Lions Clube São João de Meriti – Avenida Doutor Célso de Carvalho, 285, em Vilar dos Teles.
Aulas: todo sábado das 9h às 12h.
Informações: 21-98185-5427 (Denise)

Cidadão Baixada. Filho, neto e bisneto de pernambucanos é caxiense, portelense, tricolor, professor de História e Jornalista. É pesquisador na área da pessoa com deficiência, voluntário do Lions Clube Xérem e no Pré-Vestibular Comunitário da Educafro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui