ISP aponta que, em 2022, golpe de estelionato teve aumento de 107% no Rio

Segundo o Instituto, 14 tentativas do crime são realizadas por hora na cidade fluminense; estimasse que até o fim do ano mais de 120 mil casos de estelionato sejam registrados nas delegacias

Grátis para uso comercial Atribuição não requerida - Foto: e Joel santana Joelfotos por Pixabay

Na última quarta-feira, (24/08), o Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou que, nos sete primeiros meses deste ano, o estado do Rio registrou o maior número de estelionatos desde a série histórica, iniciada em 2003. De acordo com o instituto, foram 72.457 ocorrências. O número é o equivalente a quatorze tentativas do crime a cada hora, em média.

Houve um aumento 107% nos crimes em relação ao mesmo período do ano passado. Do total, 54% dos casos (27.958) foram registrados na cidade do Rio. Os números, inclusive, já superaram os de roubos. De cada seis registros de ocorrência de qualquer tipo de crime, um é referente a um golpe de estelionatários.

Se a média atual de 10 mil golpes por mês for mantida, 2022 vai terminar com 120 mil casos de estelionatos registrados.

CISP

As Circunscrições Integradas de Segurança Pública – CISP, correspondem às áreas territoriais de atuação e responsabilidade conjunta das delegacias da Secretaria de Estado de Polícia Civil (SEPOL) e das companhias integradas da Secretaria de Estado de Polícia Militar (SEPM). Atualmente são 137 áreas.  

Ranking

No topo da lista das regiões com mais golpes está a Cisp 16, área da Barra da Tijuca. De janeiro a julho deste ano, foram 2.835 casos registrados na Barra, um aumento de 85% em relação ao mesmo período de 2021.

No outro extremo da lista, quatro Cisps tiveram, na média, dois registros ou menos de estelionato por mês em 2022: Rio das Flores (14 ocorrências), Trajano de Moraes (14), Laje do Muriaé (12) e São Sebastião do Alto (10 casos). Mesmo assim, todas essas áreas tiveram aumento nos casos de golpe entre janeiro e julho deste ano, na comparação com o mesmo período de 2021.

Em apenas quatro das 137 Cisps houve queda nos registros de estelionato entre janeiro e julho deste ano, quando comparado ao mesmo período do ano passado: as áreas da 1ª DP (Praça Mauá), 64ª DP (São João de Meriti), 137ª DP (Miracema) e 130ª DP (Quissamã). As Cisps onde mais aumentou o número de ocorrências foram a 109, em Sapucaia (6 para 29 casos) e a 54, em Belford Roxo (351 para 1.594 casos).

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Essa Estefane de Magalhães, deveria aprender português e escrever corretamente, o estimase dela na reportagem acima está junto e é separado porque o sujeito é o racional, ou seja, a oração que vem depois.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui