Jackson: Cláudio Castro e a “Zé-Ninguém”.

Jackson Vasconcellos critica o governador Cláudio Castro pela ação na Vila Cruzeiro e lembra a morte de Gabrielle Ferreira Cunha

Até quando os governadores do Rio justificarão a incapacidade de seus governos para investigar a origem das armas que estão nas mãos dos bandidos, com as mortes de pessoas que eles sentenciam pelo simples “ouvir dizer”?

O governador Cláudio Castro segue a trilha de seus antecessores. De todos eles. No Twitter, o governador justificou as vinte mortes na Vila Cruzeiro, com a apreensão de fuzis, pistolas, granadas e drogas que estavam com traficantes. Nas postagens ele fez uma pergunta: “Com essa apreensão, quantos tiros deixarão de ser dados em direção a cidadãos de bem do Rio, contra policiais, contra quem quer levar uma vida em paz?

É-nos impossível responder, porque não sabemos o que será feito com todo o armamento apreendido. Também, nada sabemos sobre como tantas armas e granadas chegaram às mãos dos bandidos. Será que o governador tem resposta para essas duas questões?

Certamente, não, pois nenhum de seus antecessores teve e por isso, ele, agora, em 2022, age como agiram os seus antecessores nas várias chacinas que ocorreram nas favelas do Rio, pelo menos, desde 1994, com registro especial para a patrocinada pelo Sérgio Cabral no Complexo do Alemão em 2007, quando ele cumpria o primeiro ano de governo.

O cristão Cláudio Castro, na série de posts colocados no Twitter, disse também: “Uma moradora está entre as vítimas e sua morte está sendo investigada“. Ponto final! Simples assim. Afinal, que importância tem a vida de Gabrielle Ferreira Cunha, uma mulher que tinha nome e contava 41 anos de idade, e estava em casa naquele momento? Os demais mortos, o governador já sentenciou. As notícias chamam todos de “suspeitos”. Um conceito complicado nas favelas e na política, onde os suspeitos reclamam pelo fato de não serem considerados só “suspeitos” até que se tenha o trânsito em julgado. E o governador está entre eles.

Vamos lá. Em que reside o problema? Na presença das armas nas mãos de quem não estaria autorizado a tê-las. Por que têm? A quem cabe a obrigação de saber? Diz a nossa Constituição, a nossa vilipendiada Constituição, que a obrigação de saber é dos
governadores. Essa é a única obrigação deles com exclusividade.

Portanto, meu caro governador Cláudio Castro, arregace as mangas de sua camisa e inicie o trabalho e fique com a minha sugestão para suas horas de lazer, se você ainda as tiver diante de tanta obrigação. Leia “Escuta, Zé-Ninguém!” de Wilhelm Reich. O autor abre o livro com a seguinte passagem:

Eles o chamam de Zé-Ninguém ou Homem Comum. Dizem que esta é a alvorada do seu tempo, a “Era do Homem Comum”. Não é você quem diz isso, zé-ninguém. São eles, os vice-presidentes de grandes nações, os líderes operários e os filhos arrependidos da burguesia, os estadistas e os filósofos. Eles lhe dão o futuro, mas não fazem perguntas sobre o seu passado.

Minha homenagem a Gabrielle Ferreira Cunha, uma mulher que o governador Cláudio Castro, me parece, sequer sabe o nome. Uma
“Zé-Ninguém”.

Este é um artigo de Opinião e não reflete, necessariamente, a opinião do DIÁRIO DO RIO.

Formado em Ciências Econômicas na Universidade Católica de Brasília e Ciência Política na UNB, fez carreira com dezenas de cases de campanhas eleitorais majoritárias e proporcionais. É autor de, entre outros, “Que raios de eleição é essa”, Bíblia do marketing político.
Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Só um ponto ao autor do texto: a obrigação de saber de onde vem as armas não está escrita em nenhuma parte da vilipendiada Constituição. Quanto à ideia, intenção dos legisladores na construção de uma alusão a esse ponto específico, o espírito da lei trataria de forma ampla como obrigação dos governantes e não de forma reduzida como obrigação dos governadores. Diferença sutil na língua, titanica nos significado e significante. No mais, quem critica a forma como algo é feito tem a obrigação de apontar tra forma de fazer. Assim, quando se diz que a polícia não pode ou deve agir da forna A, o comentário deve ser acompanhado do detalhamento da forma B que deveria ou poderia ser adotada. Assin, Jackson, qual é a forna B? Descreva, por favor.

    • Oi, Riley, obrigado pelos comentários, que respondo: Se há armas nas mãos de quem não está autorizado a tê-las, a obrigação de impedir isso é o Estado, que está representado na Constituição para o caso dos entes federativos – estados – pelos governadores. Então, é deles a obrigação constitucional, sim.
      Eu aponto o caminho: investigar como armas chegam nas mãos dos bandidos e, pela investigação, identificar os fornecedores e combatê-los, sabendo-se que pode ser que as armas que são apreendidas correm o risco de estarem retornando para os criminosos, uma vez que ninguém diz e mostra o destino dessas armas. Só há um modo de evitar que a polícia seja recebida com tiros: tirar as armas das mãos dos bandidos. Tente qualquer um aparecer com armas na cintura ou carregando nas mãos nas localidades que não favelas e comunidades mais pobres. Logo, logo, o sujeito será desarmado e preso.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui