Coreto e estátua do Jardim do Méier revitalizados - Beth Santos / Prefeitura do Rio

O Jardim do Méier, da Zona Norte do Rio de Janeiro, foi totalmente revitalizado e reaberto neste domingo (03/10). Maior área verde do bairro, o local recebeu um mutirão de serviços municipais, com nova iluminação e a presença da Guarda Municipal durante as 24h do dia. Além da recuperação, o jardim será ocupado com atividades semanais, como lutas marciais e aulas de dança.

A área foi reformada nos últimos 40 dias por um conjunto de intervenções realizadas pela Prefeitura. O mutirão de serviços teve a participação da Fundação Parques e Jardins, da Secretaria de Conservação, da Comlurb, da Rioluz e da Guarda Municipal. O local recebeu reposição da rede subterrânea de iluminação, instalação de lâmpadas de led, pintura do gradil e do pergolado, raspagem e pintura das estruturas metálicas internas, revitalização dos brinquedos e bancos, plantios de mudas e podas.

Reforma do chafariz e do coreto

O famoso coreto do Jardim do Méier, o primeiro em madeira do Rio de Janeiro, foi recuperado com pintura do telhado e limpeza. A escultura representando a deusa grega Atena teve pichações removidas, e, atendendo a um pedido da população, a cascatinha também passou por manutenção e limpeza. Além disso, a Conservação executou serviços como reposição de pedras portuguesas, recuperação da pavimentação em concreto, reparo de grades e tapa-buracos no entorno.

Segurança 24 horas e teatro permanente na praça

Além do mutirão no Jardim do Méier, foi feita a reforma da base da Guarda Municipal, instalada no interior da praça. Ela também foi reaberta neste domingo. A GM terá equipes 24 horas no local para garantir a segurança do espaço.

A comemoração da reabertura teve inúmeras atrações, como contação de histórias, oficina de boneca africana e brincadeiras lúdicas, com o projeto “Piquenique de Histórias”, além de cama elástica, pet show e apresentação da banda da Guarda Municipal.

O Teatro de Guignol do Jardim do Méier também foi reinaugurado após passar por reforma. Ele foi pintado e recuperado, após mais de quatro anos fechado. Na programação, dois espetáculos gratuitos de bonecos do Grupo de Teatro da Secretaria de Meio Ambiente. A partir de 2022, o teatro terá atividades todos os fins de semana.

Na tradição do teatro francês, Guignol é um fantoche famoso, criado na cidade histórica de Lyon, no Século XIX. Para os cariocas, essas casinhas de madeira instaladas no meio das praças são sinônimos de diversão a céu aberto na dose certa.

O Jardim do Méier

Uma das praças mais antigas do subúrbio carioca, o Jardim do Méier tem mais de cem anos de história. Urbanizado em 1916, o Jardim do Méier tem 13 mil metros quadrados e só foi inaugurado em 24 de maio de 1919 pelo então prefeito Dr. Paulo de Frontin. Na época, a cidade do Rio de Janeiro era a capital do Brasil.

Prefeitura põe asfalto por cima de pedras portuguesas no Jardim do Méier

Um denúncia feita por moradores do Méier e publicada pelo DIÁRIO DO RIO no fim de semana, mostra que a prefeitura asfaltou a calçada de pedras portuguesas coloridas da praça; conforme imagem abaixo:

Asfalto sendo colocado sobre a calçada de pedra portuguesa no Jardim do Méier. Foto: Reprodução da Internet

Por meio de notas enviadas ao DIÁRIO DO RIO, tanto a Secretaria Municipal de Conservação (Seconserva) quanto a Subprefeitura da Zona Norte negaram a informação.

A Secretaria Municipal de Conservação informouque executou, no Jardim do Méier, os serviços de recuperação da pavimentação em concreto já existente e de recuperação de pedras portuguesas. A reposição asfáltica foi feita onde o piso já era de asfalto ou sobre base de concreto. Também foi feita a reforma do coreto, que recebeu pintura no telhado, bem como limpeza e pintura do guarda-corpo, além da remoção de pichações na escultura representando a deusa grega Atena, reparo de grades e ação de tapa-buraco no entorno. A pedido da população, a cascatinha passou por manutenção e limpeza.”

Já a Subprefeitura da Zona Norte informou que “a parte que foi asfaltada era um trecho de cimento, que estava com rachaduras. Foi aplicado o asfalto e uma camada de cimento por cima, para dar mais resistência e não aparecerem novas rachaduras ao longo do tempo. Os caminhos de pedras portuguesas foram, inclusive, restaurados e diversas pedras foram repostas.”

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui