Foto: Renan Olaz/CMRJ

Com a cassação de Flordelis uma dúvida paira na política do Rio de Janeiro, quem assumirá a sua vaga de deputado federal no PSD. O 1º suplente de 2018, Pedro Augusto, está na vaga que era de Alexandre Serfiotis, que se elegeu prefeito de Porto Real, no Sul do estado, e 2010.

Acontece que o 2º suplente é o vereador Jones Moura, Guarda Municipal que se reelegeu vereador em 2020, e defende o armamento dos guardas. A assessoria do vereador não respondeu até o momento da publicação desta matéria se ele assumiria a vaga de deputado federal.

Segundo levantou o DIÁRIO DO RIO, a gambiarra política de assumir a vaga de deputado, e continuar com a de vereador, seria apenas se assumisse como suplente. É o que fez o atual presidente da Câmara dos Vereadores do Rio, Carlo Caiado (DEM), que ficou como deputado estadual até a vaga ser devolvida a André Corrêa. Ou seja, ele precisaria renunciar a vaga de vereador, para ficar menos de um ano e meio como deputado. Mas nada que uma liminar não resolvesse até a próxima eleição.

Outra fonte também informou que Jones Moura preferiria ficar perto de sua base eleitoral, os guardas municipais, especialmente no momento em que se vota a favor do armamento deles. Desta forma, ele chegaria com mais força eleitoral em 2022 para ser candidato a deputado, novamente.

O problema de Moura, é que seu atual partido, o PSD, passou a ser controlado por Eduardo Paes. E os candidatos a federal passaram a precisar de muitos mais votos, na lista tem Pedro Paulo, Marcelo Calero, Chicão Bulhões, Laura Carneiro e, possivelmente, Rodrigo Maia. Poderia até entrar novamente como suplente, já que todos devem voltar ao secretariado de Paes logo depois das eleições.

Uma situação complicada para o vereador que se encontra em uma sinuca de bico. Caso deixe a Câmara do Rio pela Câmara Federal, quem assume sua vaga é o 1º suplente do PSD, o ex-vereador Eliseu Kessler. Que pode até fazer um acordo para apoiar a reeleição de Moura em 2022.

Caso Jones Moura decida continuar vereador, a vaga vai para a 3ª suplente do PSD, Andreia Zito, filha do ex-prefeito de Duque de Caxias, Zito. Ela foi deputada estadual de 1998 a 2007 e deputada federal de 2007 a 2015, mas não conseguiu se reeleger em 2014. Em 2020 tentou a Prefeitura de Caxias mas ficou apenas em 4º lugar.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui