Respectivamente, Pastor Everaldo e Wilson Witzel - Foto: Reprodução/Internet

A Justiça Federal do Rio revogou a prisão preventiva do Pastor Everaldo na noite desta sexta-feira (02/07), após aceitar um pedido feito defesa do político, no entanto, ele só poderá ser liberado mediante o pagamento de fiança, no valor de R$ 1 milhão.

Everaldo foi preso acusado de ser um dos cabeças de esquemas de loteamento de contratos e cargos durante a gestão do governador Wilson Witzel.

Na decisão, a juíza Caroline Figueiredo, substituta da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, também determinou que ele cumpra algumas medidas cautelares, como: uso de tornozeleira eletrônica, não manter contato com outros investigados no processo e não poder se ausentar do Rio, inclusive tendo o passaporte retido pela Justiça.

Presidente nacional do PSC, o Pastor Everaldo Pereira, e seus dois filhos, Filipe Pereira e Laércio Pereira, foram presos em agosto de 2020 na Operação Tris in Idem, que também determinou o afastamento do cargo do governador Wilson Witzel.

Pastor Everaldo foi citado na delação premiada do ex-secretário de saúde, Edmar Santos, por conta da influência dele no Palácio Guanabara. O ex-secretário foi preso por corrupção. Segundo a delação, era o pastor Everaldo quem comandava os processos fraudulentos na saúde.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui