Ladrões furtam sinos de bronze com mais de 200 quilos do Museu do Trem, no Engenho de Dentro

Ao todo, 16 sinos foram furtados. Peças da época do Império também foram levadas; experts consideram que o valor dos objetos é inestimável, já que são insubstituíveis

Foto: TripAdvisor

Na última segunda-feira, (02/08), ladrões invadiram, durante a madrugada, o Museu do Trem, no bairro do Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, e furtaram 16 sinos de bronze, entre eles uma peça da época do Império, da Estrada de Ferro D. Pedro II, que tinha um peso de cerca de 200 quilos.

Experts consideram que o valor das peças é inestimável, já que são insubstituíveis.

O Museu do Trem é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2011, então a competência sobre o caso é da Polícia Federal, que iniciou uma investigação.

No momento do roubo, o museu mantinha dois vigilantes armados no local, e a polícia quer saber como os ladrões levaram peças pesadas de forma tão sorrateira. Seria necessária uma picape ou um caminhão para carregá-las, ou então diversos homens.


Museu do trem

O Museu tem mais de mil itens, um acervo abrangente de equipamentos ferroviários, utensílios, mobiliário e locomotivas – entre elas a primeira locomotiva brasileira, a célebre Baronesa, construída na Inglaterra, movida a vapor e a primeira a trafegar na estrada de ferro de Petrópolis, em 1854.

Outros destaques são um vagão usado pelo ex-presidente Getúlio Vargas e outro onde viajou o Rei Alberto I, da Bélgica, quando esteve no Brasil em visita oficial, em 1922.

O Museu e a sua coleção pertenciam à Rede Ferroviária Federal (RFFSA), extinta em 1999, cujo acervo de valor histórico e cultural foi transferido aos cuidados do órgão local do patrimônio histórico.

Instalado nas edificações onde ficava o galpão de pintura da antiga Estrada de Ferro Pedro II, o Museu do Trem foi montado e inaugurado em 1984 e, pela relevância história de seu acervo, reconhecido e tombado pelo patrimônio.

Advertisement

6 COMENTÁRIOS

  1. Impressionante como a segurança ferroviária é eficiente. Tente tirar uma foto de um pátio ferroviário abandonado e em alguns segundos aparecerá um guarda para dizer que isso é proibido !

    Sim, dependências de ferrovias são território livre apenas para tráfico de drogas, consumo de crack, assaltos e estupros. Entusiastas de trens e ferrovias não são bem-vindos.
    Pode-se também emborcar locomotivas elétricas e roubar rolamentos de cobre, fiação e metais nobres. Ninguém percebe, e se perceber, quem se importa ?

    Uma dica : se for pego cometendo o crime de fotografia, diga ao segurança que você é cracudo e ele te deixa em paz !

  2. Deve estar junto com as vigas da perimetral que alguém colocou no bolso e levaram e ninguém viu…. é uma vergonha as investigações policiais neste caso.

  3. Isto não é um furto realizado por viciados em craque. Isto é coisa de bandido profissional, uma quadrilha especializada em furtar peças e itens de museu. Com certeza, esse furto foi encomendado. Torço para que a Polícia Federal prenda os criminosos e recupere as valiosas peças.

  4. estes ferro velho tem que acabar ficando proibido de haver comercio deste tipo de material este comercio estar dando muito prejuízo a cidade , qualquer dia deste ate as locomotivas vão ser levadas ai ninguém viu e nem sabe este e o nosso Brasil sem passado presente e futuro.

    • Bem lembrado!
      Até hoje não identificaram os autores deste mega furto. 120 toneladas de aço foram furtados na calada da noite. As vigas nunca foram encontradas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui