Foto: Reprodução/Internet

Nesta quarta-feira (20/05), a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou, de maneira atualizada, o Índice de Confiança do Empresário Industrial Fluminense (Icei-RJ). Os dados mostram que houve nova queda agora em maio, atingindo 32,8 pontos, o 2º pior resultado desde 2010, quando o levantamento teve início.

O pior resultado continua sendo referente a dezembro de 2015, com 32,7 pontos. A pesquisa tem pontuação variando de zero a 100. Os resultados superiores a 50 representam melhora ou otimismo e, inferiores, indicam piora ou pessimismo.

No mês passado, o Icei-RJ registrou queda de 25,5 pontos, a maior em um único mês, e atingiu 33,9 pontos. ”Neste mês foi registrada uma nova queda, muito influenciada pelos resultados relacionados ao indicador de condições atuais da economia brasileira, do estado e da empresa. Mais uma vez os dados refletem os impactos e as incertezas provocados pela pandemia do coronavírus”, diz Jonathas Goulart, gerente de Estudos Econômicos da Firjan.

O Indicador de Condições Atuais da pesquisa diminuiu 5,7 pontos em relação a abril e fechou em 24,9 pontos. No acumulado de 2020, a queda foi de 31,3 pontos. Os 3 itens que compõem os indicadores – ”Condições da Economia Brasileira”, ”Condições do Estado” e ”Condições da Empresa” – apresentaram retração de abril para maio. O item relacionado às condições do estado fechou em 14,1 pontos, o mínimo histórico.

O Indicador de Expectativas para os próximos 6 meses também registrou desconfiança ao fechar em 36,7 pontos. O indicador se mantém próximo do mínimo histórico (35,6 pontos) registrado em abril, apesar de apresentar uma leve melhora. O resultado é influenciado, principalmente, pelo avanço nas expectativas relacionadas à empresa, que passou de 39,5 pontos em abril para 41,7 em maio.

Entre os 3 itens analisados – ”Expectativa da Economia Brasileira”, ”Expectativa do Estado”, e ”Expectativa da Empresa” -, apenas o que se refere ao estado seguiu trajetória de diminuição, chegando a 23,7 pontos, também o menor patamar da série.

A Firjan essalta que o pessimismo registrado no Icei-RJ de maio continua retratando a dificuldade encontrada pelos empresários desde o início da quarentena, com problemas no fluxo de mercadorias, na circulação de trabalhadores e no consumo da população. Ressalta, ainda, que a falta de confiança influencia de forma negativa a recuperação das atividades econômicas e os novos investimentos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui