Marcelo Calero para o Mesa Viva ( Foto: Gabriel Subtil )
Marcelo Calero para o Mesa Viva ( Foto: Gabriel Subtil )

O 3º mandato de Eduardo Paes (DEM) deve tentar diminuir uma de suas maiores falhas nos outros mandatos, a questão da ética. Durante entrevista ao RJ Tv nesta segunda-feira, 30/11, o prefeito eleito informou que o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania) deve ser o Secretário de Integridade Pública.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

A Secretaria de Integridade Pública seria uma novidade do governo Paes, apesar de existir algo similar no Governo de Santa Catarina, onde há a Secretaria de Integridade e Governança, responsável pela implantação do Programa de Integridade e Compliance da Administração Pública.

O objetivo da Integridade Pública é um conjunto de arranjos institucionais que visam a fazer com que a Administração Pública não se desvie de seu objetivo principal: entregar os resultados esperados pela população de forma adequada, imparcial e eficiente.

Um programa de integridade propõe fazer com que os responsáveis pelas atividades e áreas afins trabalhem juntos e coordenados, para garantir  atuação íntegra e minimizar possíveis riscos de corrupção. Esses instrumentos, por serem interdependentes, somente alcançam máxima eficiência e eficácia se utilizados em conjunto.

Por que Marcelo Calero?

A escolha de Marcelo Calero não é por acaso, além da confiança de Eduardo Paes, do qual foi secretário de Cultura entre 2015 e 2016, quando virou Ministro da Cultura de Temer. E foi aí que ele se destacou, ele deixou o ministério após denunciar forte pressão para rever um parecer técnico desfavorável a interesses pessoais do então ministro-chefe da Secretaria de Governo do Brasil, Geddel Vieira Lima O que então deixaria provada sua ética.

Diplomata, tijucano, e de família católica, ele já foi coordenador-adjunto de Relações Internacionais da Prefeitura do Rio em 2013, quando ajudou a organizar a Jornada Mundial da Juventude. Depois foi presidente do Comitê Rio450 e lançou o Passaporte dos Museus.

Em 2010 tentou a cadeira de deputado federal pela primeira vez, pelo PSDB, e obteve apenas 2.252 votos. Em 2018, com toda a repercussão do caso Geddel, teve 50.533 votos e foi eleito pela primeira vez como deputado federal pelo Cidadania, ficando a frente de Otávio Leite (PSDB), que agora deve assumir a cadeira deixada pelo futuro secretário.

Calero já era uma aposta quase certa, e está na lista dos prováveis secretários de Eduardo Paes em seu 3º mandato feito pelo DIÁRIO DO RIO.

Assista a entrevista de Calero em 2019 ao DIÁRIO DO RIO

4 COMENTÁRIOS

  1. Calero fez boas coisas enquanto secretário de cultura no Rio. Acredito que nessa nova empreitada também vá bem. Alívio grande pros cariocas.
    Quem sabe depois de um tempo possa vir como prefeito? Vamos sonhar!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui