Do que eu falo quando eu falo de corrida é um livro escrito por Haruki Murakami e publicado no Brasil pela editora Alfaguara no ano de 2010, com tradução de Cássio de Arantes Leite.Murakami é um premiado autor japonês e seus romances foram traduzidos para diversos idiomas. Todos os anos seu nome consta na lista dos favoritos para o Prêmio Nobel de Literatura.

“(…) não comecei a correr porque alguém me pediu para me tornar um corredor. Assim como não me tornei um romancista porque alguém me pediu para ser um. Certo dia, do nada, quis escrever um romance. E um dia, do nada, comecei a correr – simplesmente porque eu quis.”

Neste livro, que se tornou um dos queridinhos de muitos escritores e corredores, Murakami conta que começou a correr em 1982, quando percebeu que o ofício de escritor fazia dele, que tem facilidade para engordar, uma pessoa sedentária. Como não gostava de esportes de equipe, viu na corrida o exercício ideal, já que gostava de passar um tempo sozinho e nunca viu graça em competir – a não ser com ele mesmo. 

“Forçar a si mesmo ao máximo dentro de seus limites individuais: essa é a essência de correr, e uma metáfora aplicável à vida – e, para mim, ao ato de escrever, também.”

O autor incorporou a prática da corrida na sua rotina de tal forma que, ao escrever este livro, percebeu que era quase a mesma coisa escrever sobre correr e sobre ele mesmo. Ele conseguiu transformar a corrida num estilo de vida.

“(…) do mesmo modo que minhas três refeições diárias – junto com meu sono, o trabalho doméstico e a escrita –, correr foi incorporado à minha rotina cotidiana.”

Sabemos que a corrida (ou qualquer outro exercício) faz bem não só ao corpo, mas também à mente. Murakami reconhece que escrever romances é um estilo de vida pouco saudável e diz que“para lidar com algo insalubre, a pessoa tem de ser o mais saudável possível”. Segundo ele,o esporte o tornou mais forte não só física, como emocionalmente.  

“Um espírito doente necessita de um corpo saudável.” 



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

O autor diz também que para que possamos ver algo aparentemente injusto – no caso, sua facilidade para engordar – pelo lado bom, é preciso vê-lo a longo prazo. Por isso,diz achar uma bênção o fato de precisar se esforçar, pois assim ele está garantindo uma velhice mais saudável do que a de alguém que não se exercita. E compara esta situação ao ofício do escritor, que necessita de esforço e consistência para escrever um romance – e é isso que o torna eficiente. 

Ainda comparando a corrida com a escrita, o autor enumera as três maiores qualidades para um romancista: talento, concentração e perseverança; salientando que as duas últimas podem ser adquiridas e aperfeiçoadas por treinamento – assim como a corrida. 

É um livro inspirador para corredores e escritores e para todos que buscam um estilo de vida mais saudável.Para os fãs dos romances de Murakami, o livro ajuda a entender como a corrida o inspira para escrever sua obra.Um belo exemplo de que com esforço e perseverança,é possível manter a mente e o corpo saudáveis e em harmonia.

__

Nota: 5/5
__
Livro: Do que eu falo quando eu falo de corrida
Autor: Haruki Murakami
Editora: Alfaguara
Tradução: Cássio de Arantes Leite
Páginas: 152

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui