Capa do livro ''Argonautas'', de Maggie Nelson

Um híbrido de ensaio e livro de memórias, ”Argonautas” nos leva numa interessante investigação pessoal empreendida pela escritora Maggie Nelson acerca de diversos assuntos, como: casamento, morte, questões de gênero, gravidez e relações familiares.

A escrita de Maggie é envolvente, pega a leitora e o leitor pela mão e não solta até o fim do livro. A autora fala sobre experiências marcantes de sua vida, sempre analisando-as com a ajuda de teóricos da psicologia e da filosofia, como Winnicott e Barthes. Sua relação com o marido Harry, uma pessoa de gênero fluido, está presente ao longo de toda a narrativa – o livro foi escrito para ele. Maggie fala sobre a transformação que acontecia na vida de Harry, que fazia terapia hormonal ao mesmo tempo em que ocorria sua própria transformação, com a gravidez e o nascimento do filho.

“(…) estávamos tentando engravidar, sem sucesso, havia mais de um ano. Eu me ocupava tentando distender minha parede uterina ingerindo montes de cápsulas fedorentas e amarronzadas e usando sementinhas grudentas de um acupunturista ‘de mão pesada’, ou seja, um que deixava minhas pernas cheias de hematomas; você tinha começado a se preparar para a cirurgia dos seios e as injeções de T [testosterona], que faziam o útero retrair. (…) parte de mim ainda queria que você mantivesse seu peito como era. Era uma vontade minha, não sua – ou seja, eu teria de me livrar dela rapidinho.”

Na mitologia, Argo era uma embarcação que, durante uma navegação que durou anos, precisou, aos poucos, ter toda a sua estrutura trocada pelos Argonautas, seus navegadores. A questão que fica é: ao fim da viagem, com todas as peças trocadas, a embarcação ainda é a mesma do início da jornada? E nós, após certas experiências transformadoras na nossa vida, ainda somos os mesmos, ainda que por fora estejamos diferentes?

“(…) eu te mandei o trecho de Roland Barthes por Roland Barthes em que Barthes descreve como o sujeito que diz “Eu te amo” se parece com ‘o Argonauta que renova seu navio durante a viagem, sem lhe mudar o nome’. Assim como as partes do Argo são trocadas com o tempo sem que o barco deixe de se chamar Argo, o significado de ‘Eu te amo’ deve ser renovado a cada uso da frase pelo amante, pois ‘a própria tarefa do amor e da linguagem consiste em dar a uma mesma frase inflexões sempre novas’.”

Em 2015, Argonautas foi eleito um dos livros do ano pelo New York Times e vencedor do National Book Critics Circle Award. No Brasil, foi lançado em 2017 pela editora Autêntica, com tradução de Rogério Bettoni.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui