Se deus me chamar não vou é um romance da escritora brasileira Mariana Salomão Carrara, publicado em 2019 pela editora Nós. A história é narrada por Maria Carmem, uma menina de 11 anos que tem o sonho de ser escritora. Ela resolve, então, escrever sobre o que está acontecendo na sua vida naquele ano.

O livro inicia com uma carta que Maria Carmem escreve para o Homem-Aranha a pedido da professora. Nesta carta a gente já conhece um pouco da personalidade sensível da menina, que, entre outras coisas, escreve para o super-herói:

 “Será que o vaga-lume pisca de dor? Se eu pudesse brilhar de dor, eu seria um escândalo.”

Maria Carmem mora com os pais, que são donos de uma “loja de velhos”, como ela gosta de chamar – uma loja que vende itens como meias de compressão, cintas para a lombar, fraldas geriátricas, andadores, enfim, produtos que muitos idosos necessitam. Grande parte da história se passa nos três lugares que Maria Carmem frequenta: a casa, a escola e a loja.

O que a princípio pode parecer uma narrativa despretensiosa, vai se mostrando uma reflexão sobre diversos aspectos da vida de uma pré-adolescente. Ela se sente desconfortável com seu corpo, que é muito grande para a sua idade e sofre bullying na escola. Além disso, sente desconforto também em casa, primeiro com os pais, depois com um novo personagem que chega para ajudá-los na loja, mas acaba mexendo com a estrutura da família.

A solidão de Maria Carmem é presença constante na narrativa. Ela acha que nunca encontrará ninguém para amá-la. E sua única “amiga” é uma vizinha quatro anos mais velha, que já está, portanto, em outra fase da adolescência e tem outras preocupações.

 “Acho que eu descobri o problema da minha idade, as coisas no mundo são todas divididas nas categorias 7 a 11 anos, ou 12 a 16 ou 18 anos. Daí que eu estou no limbo de quem já fez 11 anos, que é a infelicidade. O que pode querer dizer que vai passar, embora não tenha passado para a vizinha de 15, que parece muito infeliz.”

Por ser muito sensível, Maria Carmem sofre com a dor das outras pessoas; percebe os problemas da família e tenta solucioná-los. A linguagem utilizada pela autora, adequada a uma criança de 11 anos, torna a leitura fácil, mas não rasa. A personagem não apenas expõe sua vida, mas está o tempo inteiro refletindo sobre ela.

O livro traz vários assuntos à tona, como bullying, as novas configurações de famílias e a solidão, que pode ocorrer em qualquer idade. Uma leitura rápida, mas que demora a sair da gente.

__

Livro: Se deus me chamar não vou

Autora: Mariana Salomão Carrara

Editora: Nós

Páginas: 160



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui