Aos dezesseis anos, a escritora britânica Sarah Bakewell se encantou com o livro
“A Náusea”, do filósofo Jean-Paul Sartre. Esse encanto foi fundamental para que
tomasse a decisão de cursar faculdade de Filosofia. Anos depois, ao fazer uma pesquisa,
deparou-se novamente com a filosofia existencialista e resolveu reler as obras de Sartre,
Maurice Merleau-Ponty, Albert Camus, Gabriel Marcel e Martin Heidegger. Deste
resgate surgiu o livro No Café Existencialista – o retrato da época em que a filosofia,
a sensualidade e a rebeldia andavam juntas, publicado no Brasil em 2017 pela editora
Objetiva, com tradução de Denise Bottman.

Na obra, Bakewell passeia pela vida e pela filosofia destes e de outros autores
existencialistas, trazendo seus conceitos numa linguagem clara e acessível. A autora diz
que seu objetivo é “explorar a história do existencialismo e da fenomenologia de uma
forma ao mesmo tempo filosófica e biográfica”, já que, para os existencialistas, era
importante refletir sobre a experiência pessoal. O resultado é um livro teórico que lemos
como um romance, repleto de intrigas e de histórias curiosas.

A narrativa tem início com o relato de um encontro entre Beauvoir, Sartre e seu
amigo Raymond Aron, num café em Paris, por volta de 1933. Aron havia estudado na
Alemanha e conhecido a fenomenologia, que, segundo ele, permitia que se fizesse
filosofia a partir de qualquer coisa – até do drink que estavam bebendo. Sartre e Simone
se sentiram atraídos por essa “maneira de filosofar que reconectava a filosofia com a
experiência normal, vivida.”

Sarah Bakewell fez um belo trabalho de contextualização ao falar sobre o
período da Segunda Guerra Mundial, uma época em que muito se pensava sobre o
sentido da vida, o que foi essencial para o surgimento do existencialismo na França. Um
período que também explica o engajamento dos filósofos em questões políticas – e que
gerou muitas brigas e rompimentos entre eles, em função de suas visões divergentes.

O livro mostra como o existencialismo impactou toda uma geração. As pessoas
se sentiam atraídas pelos temas da liberdade, da autenticidade e da angústia, muito caros ao existencialismo. A filosofia da existência influenciou a moda, o cinema e se espalhou por outros países, como a Inglaterra, os Estados Unidos e a Tchecoslováquia. As obras escritas pelos filósofos existencialistas tinham grande repercussão. O famoso livro “O Segundo Sexo”, de Simone de Beauvoir, por exemplo, provocou grande impacto
quando lançado e promoveu mudanças na vida de muitas mulheres.

No Café Existencialista é uma bela obra para quem deseja conhecer a história
do existencialismo francês, a biografia dos filósofos que fizeram parte do movimento e
saber mais sobre as obras literárias e filosóficas que marcaram este período. Ao final do
livro, encontramos muitas páginas de notas, uma lista com nomes e breves biografias
dos personagens que aparecem na obra e uma extensa bibliografia, muito útil para quem
desejar se aprofundar no assunto.

Livro: No Café Existencialista
Autora: Sarah Bakewell
Editora: Objetiva
Tradução: Denise Bottman
Nota: 5 (de 5)

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui