Foto de Lukas no Pexels

Imagine o gramado do Maracanã espremido, lotado, com 1.000 jogadores disputando uma bola. Quem irá se destacar? Provavelmente ninguém. É assim que estarão Facebook, Instagram e Twitter, inundado de candidatos, quando a eleição 2022 estiver aberta. Milhares de postulantes passarão dias e dias se vendendo, mostrando seus méritos, projetos e bandeiras nos mesmos ambientes – e tornando as redes sociais o pior lugar para distrair a cabeça.

Uma eleição é composta de uma narrativa. Essa narrativa precisa ser comunicada de forma eficiente e clara. E, por fim, ganhar escala, amplitude. O candidato vai precisar mais do que uma rede social arrumada e dinheiro. Vai precisar de estratégia. Usando as ferramentas certas.

Estamos falando de uma eleição eivada em ódio e polarização. Na qual o candidato precisará se inserir de modo destacado comunicando-se de forma dinâmica e superando o monte de adversidades que certamente virão.

Conheça agora 5 recursos que o candidato precisa usar para se apresentar de forma organizada, coerente e estratégica em 2022.

  1. MICROQUALITATIVA DE PERFIL – No livro “Pesquisas qualitativas – pega a direção”, que eu e João Nonato lançamos em junho de 2021 na Amazon, delineamos sobre como uma pesquisa qualitativa pode facilitar o caminho para  uma eleição. No caso de uma disputa proporcional, há um modelo mais barato e prático para formatar o perfil do candidato. A Microqualitativa reúne numa sala amigos  e correligionários em no mínimo dois grupos para debater as características e objetivos do candidato. Essas reuniões geram um relatório completo e clarificado do que o candidato precisa fazer para encarar a eleição e simplifica um monte de opiniões que por vezes mais atrapalham. Como se comportar, o cabelo está bom?, como falar, que linha política seguir, que região atacar, que defeitos corrigir. É a melhor partida. Uma partida que vai economizar lá na frente e evitar os achismos desses mesmos amigos e correligionários.
  • VERO, UMA NOVA REDE SOCIAL PARA CHAMAR DE SUA – O Vero, criado pelo bilionário libanês Ayman Hariri, filho do ex-ministro Rafic Hariri, é uma alternativa interessante ao Instagram. Design moderno, formatação de conteúdo diversa e cheio de recursos. Diz-se que o Close Friends do Insta foi copiado do Vero, ainda desconhecido e com menos de 10 milhões de usuários. Acontece que as recentes declarações de executivos do Facebook dão a entender que o Instagram será mais TikTok e menos Instagram. E, a não ser que você seja um artista acostumado a gracejos, não creio que fazer dancinha é uma opção. No Vero, o candidato terá a possibilidade de atrair verdadeiros eleitores e torná-los evangelizadores, num ambiente criado do zero e organizado da forma que o candidato quiser. O engajamento ali, portanto, será 100% fiel, já que só o ato de conseguir essa migração já será sinal de fidelização do voto.
  • MONITORAMENTO DE IMAGEM NA INTERNET (O QUE PENSAM DO CANDIDATO?) – A pior forma de enfrentar uma campanha é ignorar o que os eleitores pensam do candidato, de suas bandeiras ou projetos. Onisciente, o candidato que acha que sabe tudo e subestima os anseios de seu público-alvo toma pernada. Hoje existem ferramentas sofisticadas de captura de sentimento na internet que geram gráficos qualitativos, muito importantes para a tomada de decisões. Em vez de se gastar mais em painéis diários de avaliação de sentimentos do eleitorado, essa é a forma mais barata de se medir a si próprio. O monitoramento também pode gerar um relatório do que fazer, do que não fazer, do que falar, e definir o conteúdo.
  • RELACIONAMENTO (CORRETO) PELO WHATSAPP – Ainda hoje o candidato acha que disparar whatsapp para o maior número de pessoas é o que gera buzz e voto. Não. Não mesmo. O whatsapp pode criar um relacionamento estreito com o eleitor a partir de uma conversa. Esse relacionamento, de conversa e feedback, precisa ser organizado em camadas. Por região, por bairro, por faixa etária, por religião, por bandeira. É necessário, via redes sociais, sugerir que o eleitor vá conversar pelo canal do whatsapp. Com o telefone de ambos registrados, estaremos diante de um possível match. Até o dia da eleição essa relação precisa ser nutrida. No momento correto e adequado, aí, sim, o candidato poderá enviar material: vídeos, cards, propostas, número etc.
  • E-MAIL MARKETING, A NOVIDADE VELHA – Sim, o e-mail. Aquele negócio que surgiu lá no meio dos anos 90 junto com a internet, é o big deal. Aplicado de forma correta e com uma visão estratégica com premissas próximas do whatsapp, o e-mail marketing pode gerar lead para que se possa criar anúncios direcionados nas redes sociais. Um endereço de e-mail numa eleição é ouro puro. A formatação do conteúdo a ser enviado precisa ter um dinamismo maior, com processos que façam conexões com todos os canais.

O candidato não deve jogar no lixo Instagram, Facebook e Twitter. De maneira nenhuma. São ferramentas fundamentais. Mas precisará de muito mais do que isso se quiser disputar com força as eleições 2022.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui