Nesta terça-feira (29/09), o vereador Paulo Messina (MDB), candidato a prefeito do Rio, e a psicóloga Sheila Barbosa (MDB), candidata a vice-prefeita da chapa, estiveram na Clínica da Família José de Souza Herdy, em Jacarepaguá, onde conversaram com pessoas que utilizam a unidade e gravaram um vídeo em que Messina criticou o modelo de atuação das Organizações Sociais no Programa Saúde da Família. Ele disse que o sistema atual “é feito para não funcionar” e afirmou que é preciso trazer o controle das Organizações Sociais (OSs) para as mãos da prefeitura.

“O modelo das Organizações Sociais na Saúde da Família no Rio não funciona porque é feito para não funcionar. A prefeitura gasta R$ 4,8 bilhões na saúde e quase metade disso, R$ 2 bilhões, vão para as mãos das Organizações Sociais. Sabe o que acontece aqui dentro dessa clínica? Quem controla se está funcionando ou não é a própria OS, quem diz se está faltando médico ou não está é a própria OS…O resultado disso é o quê? A prefeitura recebe a conta como se estivesse tudo 100%. A Prefeitura desperdiça até R$ 150 milhões por ano por serviços não prestados pelas OSs, e não controla, não comanda, e é por isso que eu digo que é feito para não funcionar, porque alguém leva vantagem nisso”, afirmou.

Na ocasião, Messina disse que a solução é licitar o sistema. “É preciso tirar essas organizações sociais que estão aí há 12 anos, com os dois últimos prefeitos no poder, e colocar o controle da saúde na mão da prefeitura. Essa é a solução”, concluiu.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui