Nunca entendi porque se discute tanto no Rio a necessida de “pôr o Exército na rua”, como se fosse uma solução de Segurança Pública. Realmente, mais policiamento nos passa uma maior sensação de segurança, óbvio, até porque muito da sensção de insegurança é passada pela mídia (pesquisas demonstram que quando se pergunta qual o maior problema do seu bairro, segurança não está entre as primeiras). Agora, isso vai resolver? Não a longo prazo.

O governador Sergio Cabral precisa começar a pensar mais em ações que tenham resultado duradouro, e não apenas midiático. O que Cabral fez ao requisitar do Governo Federal a ajuda das Forças Armadas foi isso, uma demonstração para a Tv, mas no fim não terá um fim prático, como demonstrou a Força Nacional, que funcionou alguns dias na Tv e apenas isso. Não acredito que o Exército poderá ficar no Rio por muito tempo, não da forma que a população carioca gostaria.

Então o que deveria fazer Sergio Cabral? Algumas ações poderiam ser feitas, primeiro equipar a Polícia Civil, é a ela que cabe as investigações, e sem equipamento necessário fica difícil conseguir solucionar os crimes que acontecem no Rio de Janeiro. Não basta dar carros, é necessário dar uma laboratório moderno, verba para pesquisa, criar um convênio entre eles e a UERJ. Mais cursos para “a Civil” também ajudaria, o policial é um servidor público, e como todos precisam ser atualizados.

Quanto a Polícia Militar, é dignificar o profissional, e isso inicia com aumento de salário, bom plano de carreira (isso vale para a Polícia Civil também) e, claro, tudo isso passa pela limpeza, tirando o mal policial. É também necessário devolver, por mais absurdo que pareça, a segurança ao policial, um PM não pode sair de casa com o uniforme, por ser muito arriscado. Enquanto isso ocorrer, um policial não poderá fazer um bom trabalho, já que vive com medo.

Bem, apesar disso tudo, é bom lembrar que qualquer grande cidade é perigosa, seja Madri, Paris, Nova York ou Washington, com os mesmos cuidados que temos aqui no Rio (como não andar em ruas escuras). O Rio de Janeiro, como já disse, é a apenas a 107a cidade mais violenta do Brasil. Há problemas na nossa cidade, sim, mas eles são localizados. E o que falo acima, é apenas um desabafo, desta necessidade absurda que o governador tem de querer dar uma resposta imediata, que não funcionará, quando o que precisa é de um trabalho longo e que não renderá popularidade tão rápido.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui