nimais ficam em espaços improvisados na Suipa — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Segundo reportagem do portal G1, a Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (Suipa), responsável por cuidar de animais abandonados ou maltratados no Rio de Janeiro, está sendo investigada por negligência animal, condições precárias de instalações e um surto de leishmaniose entre os bichinhos do abrigo.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) também apuram a situação dos funcionários, que estão com os salários atrasados há oito meses.

A denúncia protocolada no MPRJ e no MPT, abriram inquéritos para apurar diversas infrações que estariam sendo cometidas pela atual gestão da sociedade.

A reportagem cita algumas:

  • Animais sofrendo restrição de acomodação, higiene e cuidados médicos;
  • Bichos juntos em pequenos espaços;
  • Diminuição na quantidade de alimentação diária dos animais;
  • Surto de leishmaniose dentro do abrigo;
  • Animais morrendo por causa das condições precárias do local;
  • Funcionários com salários atrasados por 8 meses.
Cachorros com leishmaniose são mantidos em canil sujo (Foto: Marcos Serra Lima/G1)

O diretor-presidente da sociedade, Marcelo Marques, reconheceu a incidência de um surto de leishimaniose entre alguns animais do abrigo. Mas, segundo ele, a infecção teria acontecido a partir de um bicho acolhido da rua, que já estava com a doença.

Muitos animais são abandonados aqui e a gente resgata. A probabilidade é do animal ter entrado com leishmaniose, que é uma doença que já está ‘viralizando’ no estado do Rio. É claro que nós íamos ter”, disse.

O diretor detalhou como os animais doentes do abrigo são avaliados.

Quando nós detectamos [animais infectados], chamamos a Vigilância [Sanitária]. Porque a Vigilância tem a programação de fazer exame em todos os animais da Suipa. Já foram examinados cerca de 1,7 mil. Dos que deram positivo, se colhe o sangue e faz um exame mais preciso. Hoje nós temos 49 animais positivos [para leishmaniose], que a gente cuida e estão isolados”.

Cadela Princesa salvou um menino de 5 anos de uma ataque de pitbull, mas teve uma perna amputada — Foto: Marcos Serra Lima/G1

A direção confirmou o atraso salarial, mas explicou que faz repasse de parte dos valores para os funcionários. Segundo Marques, o pagamento não é integral porque ele precisa optar entre a compra de ração para os animais e o pagamento dos vencimentos.

O salário atrasado é um fato, não tem como esconder. Porque aqui não se produz, a gente vive da compaixão dos outros. Que muito nos ajudam, mas precisamos de muito mais ajuda”, afirmou.

A atual administração negou que haja qualquer tipo de maus-tratos e restrição alimentar para os animais. Ainda de acordo com o diretor-presidente, houve uma diminuição no número de bichos no local por causa de uma política de controle de reprodução do abrigo, com a castração.

Ele afirma que não há registro de animais se matando para disputar comida ou morrendo por desnutrição.

Suipa tem denúncias de maus-tratos aos animais — Foto: Marcos Serra Lima/G1

O secretário municipal de Proteção e Defesa dos Animais, Vinícius Cordeiro, informou que realizou uma vistoria técnica no local e os animais começaram a ser identificados por chip. Segundo ele, a instituição recebeu dois mil chips para fazer o acompanhamento dos animais.

Houve uma denúncia recebida no mês de novembro. Quando eu assumi a secretaria eu pedi a apuração e a gente determinou uma vistoria técnica de um médico veterinário na instituição”.

Ainda segundo o secretario, o surto de leishmaniose foi apenas local.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui