Alfaiate Alberto Marques, Início de 2020, antes da pandemia com 91 anos | Foto: Arquivo familiar

Morreu nesta semana o conhecido alfaiate português Alberto Marques, considerado por muitos de seus clientes o maior do Brasil em sua profissão. Marques, como era conhecido, atendia há mais de 60 anos no mesmo endereço, no centro do Rio de Janeiro, num tradicional ateliê na rua da Quitanda entre a rua da Assembléia e a rua Sete de Setembro. Alberto era um dos grandes personagens desta região da cidade e atendia empresários e advogados dos mais prestigiosos. Tinha 92 anos de idade.

O tradicional ateliê de Marques, na Rua da Quitanda, com seus detalhes em madeira. Era neste espaço que atendia aos clientes para a escolha dos tecidos.

Nascido em Portugal e vivendo no Rio de Janeiro há mais oito décadas, Marques era nonagenário e tinha seu ateliê na Rua da Quitanda, 30, loja 510, no edifício onde se localiza o tradicional Lord Bar. Ele sempre dizia que aprendeu tudo sobre seu ofício com o pai, que também era um grande alfaiate aqui na capital.

Entre muitos clientes famosos estava o político Tasso Jereissati (PSDB-CE), que, por influência de seu pai, sempre viajava ao Rio de Janeiro para encomendar seus ternos com Alberto Marques. “Não era só pelo corte perfeito e cirúrgico ou pelos tecidos maravilhosos; era pelo divertido papo que tínhamos com ele em cada prova e medição. Vou sentir muito a falta dele, que se havia tornado um amigo“, disse à reportagem Cláudio André de Castro, diretor da Sergio Castro Imóveis e cliente do famoso alfaiate.

Além de políticos, muitos empresários eram clientes fieis de Marques, que com seu trabalho minucioso, detalhista e de extrema qualidade cativava qualquer um que encomendava peças com ele. Um de seus clientes mais célebres foi o ex-governador Leonel Brizola; apesar de discreto com relação aos clientes, sabe-se que presidentes da república, atendeu a pelo menos meia dúzia. Seu ateliê inicialmente fazia todo tipo de roupa masculina, mas com o tempo, ficou restrito a paletós, blazers, ternos e roupas formais de todos os tipos.

Sua ex-companheira de trabalho, dona Nilza, ainda faz camisas sob medida, no mesmo prédio.

Sua oficina, onde chegou ter três dezenas de funcionários, acabou fechando em março de 2020, por conta da pandemia. Vítima de um câncer, Alberto Marques veio a falecer no último dia 15, no Hospital Samaritano. Deixou sua viúva, Yolanda; as filhas Eliane e Solange; os netos Aline, Fernando, Tadeu e Amanda; e os bisnetos Francisco e Mariana.

2 COMENTÁRIOS

  1. Faltou a matéria dizer a idade do alfaite (só disse que ele atendia há mais de 60 anos no mesmo endereço) e a causa da morte (foi Covid-19?).

  2. Faltou a matéria dizer a idade do alfaite (só disse que ele atendia há mais de 60 anos no mesmo endereço) e a causa da morte (foi Covid-19)?

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui