As terças-feiras no Museu do Amanhã não serão mais gratuitas a partir do dia 28 de Janeiro. A mudança não afeta a política de gratuidades e meias-entradas do equipamento, que atende a uma lista extensa de público, desde estudantes, professores, pessoas com deficiência, idosos a partir de 60 anos e crianças até 5 anos, até os Vizinhos do Amanhã, guias de turismo, entre outros. A medida estava prevista no plano de trabalho anexo ao termo aditivo contratual firmado entre a Prefeitura do Rio de Janeiro e o Instituto de Desenvolvimento e Gestão, pelo qual o IDG permanece na gestão do Museu do Amanhã de dezembro de 2019 a novembro de 2020, porém sem receber aporte de recursos da Prefeitura. Desde então, portanto, todos os custos de manutenção e programação do Museu estão sendo totalmente financiados pela iniciativa privada, em parte incentivados pela Lei de Incentivo à Cultura, e por receitas operacionais como bilheteria, locação de espaço e eventos.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

 “Mantivemos o Museu do Amanhã aberto e atendendo a um público crescente mesmo com a drástica redução de repasses da Prefeitura desde 2017. Agora a decisão foi adotada para que o museu continue funcionando sem prejuízo de limites de dias ou horários de visitação, com a programação atualizada e de boa qualidade, atendendo o público espontâneo e o público de visitas escolares, principalmente da rede pública, e contemplando a política de gratuidades previstas em diferentes leis e as concedidas pelo museu”, explica Henrique Oliveira, diretor-executivo do Museu do Amanhã.

No histórico de repasses, a Prefeitura destinou ao Museu do Amanhã R$ 16 milhões em 2015; R$ 20 milhões em 2016; R$ 12 milhões em 2017; R$ 5 milhões em 2018 e R$ 2 milhões em 2019, dos quais foi pago apenas R$ 1 milhão. A queda nos valores, ano a ano, obrigou o IDG a otimizar os recursos, cortar custos com pessoal e buscar parcerias e novos patrocínios para manter a programação de qualidade e o atendimento ao público. Em 2019, mesmo com o menor repasse da série histórica, o Museu do Amanhã aumentou em 9% a visitação, em relação ao ano anterior, e chegou aos 4 milhões de visitantes. A instituição inaugurou uma nova exposição temporária, a Pratodomundo, que recebeu mais de 250 mil visitantes e um prêmio internacional, o Grand Prix. 

Em 2020, o Museu do Amanhã, que tem como pilares éticos a convivência e a sustentabilidade, terá a Diversidade como tema central da curadoria, programação e atividades, e quatro macro-temas: Amazônia, Cidades e Comunidades, Emergência Climática e Baía de Guanabara, Mares e Oceanos.

Lista de meia-entrada e gratuidades do Museu do Amanhã

MEIAS-ENTRADAS PREVISTAS EM LEI

  • Pessoas com até 21 anos
  • Estudantes de escolas da rede particular de ensino
  • Estudantes de universidades particulares e públicas
  • Professores da rede privada de ensino
  • Pessoas com deficiência 
  • Servidores públicos do município do Rio de Janeiro
  • Moradores ou naturais da cidade do Rio de Janeiro
  • Portadores da carteira de Identidade Jovem

GRATUIDADES PREVISTAS EM LEI

  • Estudantes da rede pública de ensino fundamental e médio
  • Professores da rede pública de ensino e de universidades públicas 
  • Pessoas com idade partir de 60 anos 

GRATUIDADES CONCEDIDAS PELO MUSEU DO AMAN

  • Crianças com idade até 5 anos
  • Acompanhante necessário de pessoas com deficiência 
  • Funcionários de museus ou associados do ICOM com selo da anuidade
  • Guias de turismo 
  • Vizinhos do Amanhã 
  • NOZ – Programa Amigos do Amanhã 
  • Funcionários Santander 
  • Funcionários Shell 
  • Grupos em Vulnerabilidade Social 

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui