Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro - Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou nesta sexta-feira (01/10) que turistas que não se vacinaram contra a covid-19 “não são bem-vindos” na cidade. A declaração foi dada na apresentação do Boletim Epidemiológico desta sexta-feira (1/10). Em contrapartida, Paes garantiu que os visitantes vacinados podem chegar “com tranquilidade“. Vale lembrar que na semana passada, o vereador de Belo Horizonte (MG) Nikolas Ferreira (PRTB) foi barrado no Cristo Redentorpor não apresentar o comprovante de vacinação.

Na hora que a gente estabelece o passaporte da vacina, o que nós estamos dizendo para os turistas é que, primeiro, aqueles responsáveis que se vacinaram, que eles podem vir com tranquilidade. Segundo, estamos também dizendo para aqueles que não se vacinaram, que por favor não venham, porque eles não serão bem-vindos no Rio de Janeiro. É simples assim“, disse o prefeito durante a coletiva na apresentação do 39º Boletim Epidemiológico.

A partir da próxima semana, os boletins serão divulgados de forma quinzenal, por conta da queda nos índices da covid-19 no Rio.

O prefeito ainda elogiou adecisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, que restabeleceu o decreto municipal do Rio que exige o comprovante de vacinação da Covid-19 para a entrada em determinados locais e estabelecimentos. Na quarta-feira (29/09), o decreto havia sido suspenso, após um Habeas Corpus coletivo expedido pelo desembargador Paulo Rangel, do Tribunal de Justiça fluminense.

Reitero meu agradecimento à decisão importante tomada pelo presidente do STF, que garantiu mais uma vez o direito individual e coletivo à saúde pública.  Não custa lembrar: regras são estabelecidas para a convivência em sociedade. Não se fuma em lugar fechado, é obrigatório o uso de cinto de segurança e ninguém acha que isso é supressão dos direitos individuais.  O comprovante de vacinação é a garantia que temos de evitar mortes e proteger os turistas que vierem ao Rio e os cariocas“, ressaltou o prefeito carioca.

Carnaval pode ser cancelado caso haja redução de público na Sapucaí, diz Liesa

Mesmo com o avanço da vacinação contra a Covid, o Carnaval do Rio de Janeiro corre o risco de não ser realizado. A constatação foi feita pelo presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESA), Jorge Perlingeiro, que afirmando que se houver a recomendação de redução de público na folia da Marquês de Sapucaí, vai adiar os desfiles para junho de 2022.

A exemplo do futebol que já abriu os estádios, mas com capacidade reduzida, eu quero avisar a todos: carnaval não é assim! Não podemos reduzir o tamanho desse espetáculo, nem de público, porque aí não teremos dinheiro suficiente para bancar esse megaevento, e muito menos de componentes”, disse Perlingeiro.

Planejamento da Prefeitura prevê flexibilização do uso de máscaras em novembro

Segundo previsão da Prefeitura do Rio até o final de novembro, as principais restrições referentes à Covid serão revogadas na cidade, incluindo distanciamento social o uso de máscara.

No entanto, a realização da maior festa popular do mundo, depende de como o cenário pandêmico irá se apresentar até meados de janeiro e fevereiro de 2022.

Acreditamos que, até o final do mês de novembro, possamos derrubar praticamente todas as principais restrições na cidade do Rio de Janeiro. Mas, se tivermos uma taxa de transmissão alta, por si só, já não dá para fazer carnaval”, destacou o secretário municipal de saúde, Daniel Soranz, durante audiência pública, realizada pela Comissão Especial do Carnaval da Câmara Municipal, na manhã desta sexta-feira (1/10).

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui