Engenhão e Maracanã

Quando em 2007 a Prefeitura do Rio concluiu a montagem do último dos quatro arcos que emolduram a cobertura do estádio olímpico João Havelange, no bairro do Engenho de Dentro, o Rio de Janeiro dava um passo decisivo para pouco mais de um ano depois, ver sua candidatura à sede das Olimpíadas de 2016 confirmada pelo Comitê Olímpico Internacional.

O novo estádio, que nascia sob um cenário em que só existia o antigo Maracanã como palco do futebol na cidade, tornou-se rapidamente num novo ícone na malha urbana daquele trecho da zona norte. Sua maior contribuição entretanto, foi ajudar a credenciar o Rio para os Jogos de 2016, pois éramos a única cidade-candidata que apresentava seu estádio olímpico construído, legado maior dos Jogos Pan-americanos de 2007.

Durante 6 anos o Engenhão funcionou. Administrado por um dos quatro grandes clubes da cidade, o estádio viabilizou também a participação dos demais nos campeonatos do calendário anual do futebol. O Botafogo o considera como casa. Mas os outros times, sobretudo Flamengo e Fluminense, passaram a jogar lá com frequência, principalmente a partir do segundo semestre de 2010, quando o Maracanã fechou para as obras da Copa.

E quando o estádio ainda se fazia necessário, com o Maracanã ainda em obras, o Engenhão fecha, com uma justificativa de emergência e sob o manto de um suposto problema na cobertura, empurrando as finais do campeonato estadual para Volta Redonda.

O engenheiro que a projetou garante que não há riscos, e que o estádio poderia continuar aberto, mas a Prefeitura prefere o zelo e avisa que a interdição é por tempo indeterminado, provavelmente até 2014.

Curioso é que isso ocorra no momento em que, há alguns quilômetros dali, na mesma zona norte da cidade, o novo Maracanã se prepara para reabrir, e traz a reboque um edital de concessão que exclui os clubes de sua participação, prejudicando a dupla Fla-Flu, sem estádio e abrigada momentaneamente no Engenhão, e indiretamente os empurra para o cobertor do futuro concessionário, que tem de garantir o uso do novo Maracanã por pelo menos dois dos quatro grandes do Rio.

Mais curioso ainda é que semanas antes da interdição, Flamengo e Fluminense haviam anunciado parceria com o Botafogo para uso do Engenhão no campeonato brasileiro deste ano, inclusive no segundo semestre, quando o novo Maracanã estará reaberto, recém testado na Copa das Confederações.

Sob bombardeio intenso da opinião pública, e com seguidas ameaças judiciais, o edital caminha para consolidar a privatização do Maracanã, e embute na sua nova arquitetura, instrumentos que deem a certeza de que tanto Flamengo, como Fluminense jogarão uma quantidade mínima de jogos lá, pulverizando os riscos para o futuro concessionário. Não havia dúvidas que com o uso em paralelo do Engenhão, sobretudo pelos dois clubes, as incertezas aumentavam.

Em breve o país receberá a Copa das Confederações. Após ela, inicia-se um novo cenário no futebol do Rio com o novo Maracanã. Mas que a Prefeitura não esqueça o Engenhão, e conclua de vez as intervenções que lá são necessárias, aproveitando inclusive esse período para intervir no entorno ainda abandonado do estádio.

Com capacidade para 45 mil pessoas, o Engenhão tem projeto para chegar a 60 mil e assim abrigar as competições de atletismo durante os Jogos Olímpicos. Basta a conclusão dos setores norte superior e sul superior, com 7.500 lugares cada, totalizando 15 mil novos lugares, ainda que provisórios.

E que o fim das obras no novo Maracanã possibilite que os jogos dos cariocas seja novamente divididos entre os dois estádios.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui