Recentemente, contamos aqui um pouco da história do Castelinho normando da família Guinle. Ao lado desta residência, em Copacabana, ficava a Vila Normanda, que também pertenceu aos Guinles, mas teve outro rumo ao longo dos anos.

Celina Guinle de Paula Machado morava no Palacete Guinle, que ainda existe na Rua São Clemente, esquina com Rua Dona Mariana, e a Vila Normanda era a sua casa de veraneio, onde ela permanecia apenas de um a dois meses por ano.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

Em 1927, Celina vendeu a Vila Normanda e a casa passou a ser a residência do jornalista e magnata Assis Chateaubriand. Foi aí que o local passou a abrigar encontros polêmicos.

Nessa casa rolaram as maiores armações, tramoias, golpes de estado, licitações fraudulentas e demais picaretagens. Normanda ganhou fama nacional como palco de planos, golpes e armações do polêmico magnata dos Diários Associados”, destaca o site Foi um Rio que passou, citando o livro “Chatô o Rei do Brasil” de Fernando Morais.

Assis Chateaubriand em Copacabana

Empresário influente, Assis Chateaubriand não atuava somente na área de comunicação. Ele tinha negócios em diversos seguimentos e levava fama por conta de negociações que levantavam suspeitas e muitas delas aconteceram na Vila Normanda.

Vila Normanda atualmente

Com a morte de Chateaubriand em 1968, a Vila Normanda foi vendida e em seguida demolida em 1969. No seu lugar foi erguido o edifício Vila Normanda, com a sua fachada de mármore branco, e que manteve o nome da casa original.

 

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui