Foto: Deca Serejo

Um viaduto, que fica no bairro de Campo Grande, Zona Oeste do Rio, tem uma história conhecida e curiosa. Porém, existem relatos que mostram que a divertida narrativa popular não é bem como achamos que é.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

A narrativa popular diz que o “Viaduto dos Cabritos”, passou a ser chamado assim por ter a nomenclatura oficial “Viaduto Engenheiro Oscar Brito” e, com isso, o nome foi sendo modificado na boca do povo, no dia a dia. O tal “Oscar Brito” virou “os Cabritos”.

Jornal do Commercio (RJ) 1965

Consta em arquivos de jornais que, em 1965, durante as obras para a inauguração do Viaduto, o então governador Carlos Lacerda disse que a construção: “Não teria serventia nenhuma e só serviria de passagem de cabritos”.

“E quanto ao engenheiro? Nunca se comprovou sua existência em qualquer logradouro da cidade. Apuramos que a história da corruptela não passou de uma brincadeira de um grupo de amigos no bairro, que confundiu até a própria prefeitura, que mantém no local uma placa com o nome fictício do engenheiro”, disse Deca Serejo, guia de turismo da Rio de Coração Tuor, que fez uma pesquisa sobre esse tema.

O Viaduto foi inaugurado em meados dos anos 1960. No governo Negrão de Lima, que comandou o Rio de Janeiro de 1965 até 1971, chegou a acontecer uma troca de nome, considerado muito singelo para a obra. Passou a ser, por um tempo, Engenheiro Manuel dos Santos Dias, antigo funcionário do Estado, que ocupou importantes cargos de direção na administração pública e que é cunhado do Presidente Castelo Branco. Mas logo mudou.

“Na verdade era para ser Viaduto das Ovelhas. Justamente porque no princípio dos anos 1970 quando ainda havia a Fazenda Indiana, que era cortada pela Av. Brasil, os vaqueiros fechavam a via para levar gado para outras pastagens. Certo dia, o vaqueiro, sei o nome dele, deparou com uma viatura da PM onde, em seu interior, havia dois policiais mortos. Apavorado ele pegou o rádio da viatura e pediu socorro, explicando a situação. Quando foi indagado sobre o local da ocorrência, falou que era próximo a um viaduto que tinha ovelhas. No dia seguinte as manchetes dos jornais publicaram os assassinatos no Viaduto dos Cabritos. Porque soava melhor”, disse o pesquisador Leu Lima.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Leu Lima ainda completou: “O nome do Viaduto nunca foi Engenheiro Oscar Brito. Havia na região algumas fazendas de gado caprino e estes perambulavam pelo local causando vários acidentes de trânsito. Fato esse que continuou acontecendo durante o período das obras de construção do mesmo. Várias pessoas passavam e viam os cabritos subindo e se abrigando do sol nas peças de concreto que chegaram a ficar abandonadas ali por muitos anos. Contudo, mesmo assim, a mortandade dos caprinos ainda continuou acontecendo e esse foi o motivo do batismo popular do viaduto de concreto armado que foi construído naquele no lugar”.

É, independentemente do motivo, o Viaduto é mesmo dos Cabritos.

2 COMENTÁRIOS

  1. O viaduto eng. Oscar brito. Atuamente com este nome e bem melhor que viaduto dos cabtitos. Hoje passam carros no viaduto. Antigamente ano 1958 nem cabritos passavam. Pois as duas entradas do viaduto eram bloqueadas.os onibus ponte coberta – campo grande passavam do lado do viaduto. Pois nao existia av. Brasil do viaduto para santa cruz.hoje a fazenda de criacao de gado nelore e cervejaria . Como tambem nao existe a ceramica tinguy. Local esta sendo invadido com habitacoes irregulares. A barreira que existia ns divisa de guanabara e rio de janeiro(campo grande ”nova iguacu) foi desativada e construids um posto da policia rodoviaria perto do viaduto hoje desativado(falam que um agente rodoviario foi executado no posto)

    • Realmente,
      Fui morar no km 35 em meados de 1962 com 3 anos, e a medida em que crescia passei a admirar o lugar,
      E sempre soube que o viaduto chamava -se dos cabritos .
      A viação ponte coberta tinha 2 ônibus, um ia e outro vinha. De longe ouvíamos o ronco do motor.
      Com relação ao policial, e verdade, foi assassinado no posto de trabalho.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui