Foto: Daniel Marenco, Agência O Globo, a obra em 2013

O sonho dos cariocas de poder contar com mais um trecho de metrô, aumentando assim a área comtemplada pelo meio de transporte na cidade, se transformou em pesadelo com a paralisação das obras do metrô da Gávea, na Zona Sul da cidade, que já duram quase seis anos. A construção foi interrompidas na metade, devido a mudanças no projeto inicial e ficou de fora da inauguração da Olimpíada do Rio. O cronograma seguinte previa a conclusão do trecho que integraria a linha 4 do transporte subterrâneo do Rio em 2018, mas isso nunca aconteceu.

Mas nada é tão ruim que não possa ficar piorar, as obras da estação de metrô da Gávea podem causar um afundamento de parte do terreno onde a estrutura foi construída, bem abaixo do estacionamento da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC) e da rua Marquês de São Vicente.

De acordo com um relatório feito por técnicos em engenharia e publicado em 2019, pessoas que residem no entorno da região podem perder suas vidas, caso parte da obra que foi inundada não resista ao desgaste provocado pelo tempo.

Segundo o documento da época, o possível afundamento do local pode provocar uma tragédia, “engolindo” os inúmeros prédios que estão localizados nas adjacências.

Em nota, a concessionária que realizou a obra na estação de metrô da Gávea informou que a estrutura e todo o seu entorno está sendo monitorada por centenas de equipamentos.

O governo do estado informou que iniciará, este mês, a licitação para contratar uma empresa que irá desenvolver o projeto básico para o reforço estrutural das áreas da estação Gávea inundadas. O prazo previsto é de seis meses.

Só depois, uma licitação será lançada para o plano executivo das obras.

1 COMENTÁRIO

  1. O grande culpado disso é o Ministério Público que obteve na Justiça decisão que levou à paralisação da obra…
    Coloca na conta do Ministério Público e do Judiciário…
    Sequestre o dinheiro do fundo do Ministério Público e do Tribunal de Justiça.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui