Foto: Divulgação/Operação Lei Seca

A Operação Lei Seca ligou o alerta para a quantidade de casos de alcoolemia na Região dos Lagos. Este ano, 210 motoristas foram abordados em cidades da região e, destes, 50 tinham sinais de ingestão de álcool, o que representa 23,8% do total no estado. As ações de fiscalização aconteceram em Cabo Frio, São Pedro da Aldeia, Araruama, Arraial do Cabo e Búzios.

Antes de a blitz da Lei Seca ser suspensa em virtude da pandemia, em 18 de março de 2020, o percentual médio de motoristas com sinais de alcoolemia na região era de 4,5%. Com a retomada, em outubro de 2020, estes índices chegaram a alcançar 33%. Esse pico se deu no feriado de Finados, em São Pedro da Aldeia.

Somente no feriado prolongado de Carnaval, a Operação Lei Seca identificou, em Arraial do Cabo, percentual de alcoolemia de 26,3%: de 171 motoristas abordados, 45 tiveram a carteira de habilitação suspensa.

Educação e prevenção

A Operação Lei Seca tem tenta conscientizar os motoristas através da educação no trânsito. Além das blitz, 28 agentes, divididos em sete equipes de quatro pessoas, se revezam para levar informação e consciência à população, sobretudo a perigosa relação álcool e direção.

As equipes de educação no trânsito, além de estarem em pontos de grande fluxo de veículos, nos pedágios e nas principais vias das cidades, fazem palestras para grupos por agendamento.

São três tipos de abordagem – para crianças, jovens e adultos, com dados, imagens de acidentes, suas consequências, estatísticas e depoimentos dos agentes portadores de deficiência (PCDs) que integram o programa.

A gente mostra, com imagens reais, acidentes graves causados pela má conservação do veículo, pela não utilização de equipamentos obrigatórios como cinto de segurança e cadeirinha para criança e, sobretudo, quais são as consequências graves da mistura álcool e direção, pelo testemunho, sempre impactante, dos agentes PCDs“, explicou Francisco Benites, Coordenador de Educação e Conscientização da Operação Lei Seca.

Os grupos visitam escolas, empresas, quartéis e sedes de entidades da sociedade civil, tanto no Rio de Janeiro, como em estados próximos. Este ano, já realizaram um ciclo de palestras em São Pedro da Aldeia, e outro está marcado para o dia 28 de abril, ambos no Comando da Força AeroNaval. As palestras podem ser solicitadas pelo email: ols.educacao@gmail.com

Atuação dos agentes PCDs (Pessoa Com Deficiência)

Levar mensagem da educação de trânsito por meio de histórias reais, de vida e superação dos agentes PCDs. Essa é uma das estratégias e apostas da Operação Lei Seca para mudar o comportamento da sociedade.

Marcelo Santos, hoje com 39 anos, voltava de moto para o Rio depois de passar o carnaval na Região dos Lagos, em 2004. Na estrada, observou que o motorista na sua frente fazia zigue-zague na pista com o veículo. Acelerou para ultrapassar o motorista e viu que ele dividia as mãos entre o volante e uma lata de bebida. Foi quando o veículo atravessou a pista, bateu e jogou Marcelo para fora da estrada.

Com duas lesões medulares, passou por duas cirurgias, ficou paraplégico e, desde 2008, quando ainda era um projeto, passou a integrar a Operação Lei Seca como agente de educação PCD.

Considero esse trabalho como um dever cívico. Está acima da escolha de fazer ou não fazer. Pra mim é uma questão ética e moral com meus semelhantes. Entendo como omissão de crime se eu me negasse a alertar as pessoas sobre essa mistura tão danosa de álcool e direção“, reforça Marcelo Santos.

Mudança de comportamento

Em 12 anos, mais de 3,4 milhões de motoristas foram abordados em 26 mil blitzes em todo o estado do Rio de Janeiro. Mais de 213 mil motoristas embriagados foram retirados das ruas pela Operação Lei Seca.

Apesar da pandemia, os flagrantes de alcoolemia e os acidentes de trânsito com vítimas fatais voltaram e crescer e a ocupar os noticiários.

Se conseguirmos, a cada dia, retirar das ruas motoristas embriagados, que quando pegam o volante estão assumindo o risco de matar e morrer, nossa missão foi alcançada. A Operação Lei Seca é insistente, ela está nas ruas todos os dias, incansavelmente e sua missão é salvar vidas“, destaca o secretário de Estado de Governo, André Lazzaroni.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui