Ex-tabelião é preso no Rio | Foto: Reprodução TV Globo

Nesta quinta-feira (22/10), um ex-tabelião do Ofício Único de Búzios, na Região dos Lagos, foi preso na Operação Registro Paralelo II, que investiga suposta fraude em processos cartoriais na cidade. Ele e um advogado teriam exigido R$ 600 mil de empreiteiras para liberar imóveis.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Albert Danan, ex-titular do cartório de Búzios, foi preso em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Já o advogado Allan Vinicius Almeida Queiroz é considerado foragido. Ambos são acusados de concussão. Segundo as investigações, Danan e Queiroz se uniram para obter vantagem indevida em troca da promessa de regularização de um empreendimento imobiliário que seria construído na cidade.

A operação é uma parceria do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Corregedoria-Geral de Justiça. A Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ) deu apoio.

Como funcionava o esquema

A operação é um desdobramento da Registro Paralelo I, que em maio deste ano apreendeu documentos e aparelhos celulares e ouviu empresários supostamente achacados. Em dezembro de 2019, o MPRJ já havia cumprido mandados contra o cartório.

Segundo a denúncia recebida pela 1ª Vara de Búzios, entre 2018 e 2019, Danan, como titular do cartório da cidade, criou dificuldades desnecessárias para regularizar o condomínio que o Grupo Modiano/Opportunity pretendia construir no município.

Para regularizar a empreitada, ele exigiu de um diretor a contratação dos serviços advocatícios de Queiroz. A investigação apurou que a contratação tinha como objetivo permitir que os valores cobrados a títulos de honorários fossem repassados ao próprio Danan.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui