Categorias: Geral

Paes diz que não vai sair cancelando eventos sem embasamento técnico

Compartilhar

Nesta terça-feira (30/11), o prefeito Eduardo Paes voltou a falar sobre eventos como o Réveillon e o Carnaval. Ele afirmou que não irá cancelar e criar pânico na população antes de ter embasamento técnico sobre a variante ômicron. Disse ainda que os técnicos da Comissão de Saúde da prefeitura estão acompanhando e recebendo todas as informações. As informações são do portal de notícias “G1”.

Segundo Paes, não dá para dizer que há um exagero porque a situação da pandemia no mundo ainda é crítica, mas o Rio está com a situação controlada.

É óbvio que não vamos sair cancelando coisas, como o carnaval. Não vou sair criando pânico na população. Como falei no vídeo, quando a gente planeja, a gente consegue cancelar. Se tiver que adotar restrições, não será só no carnaval. Se tiver de cancelar, vamos cancelar. […] A pandemia ainda não acabou, mas estamos com a vacinação avançando, os números de internação e mortes em queda. Vamos planejar até o último momento. Para o carnaval ainda tem muito tempo. Mas para o Réveillon, o Soranz e Comitê Científico estão olhando a situação. Vou seguir o que ele e o Comitê Científico determinarem“, afirmou.

O prefeito também falou sobre o passaporte da vacina. Segundo ele, é inaceitável que o Brasil não exija o comprovante. Ele disse que recentemente esteve na Espanha e em Portugal e que o passaporte de vacina é exigido normalmente, sem problemas nesses países.

O Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19 (CEEC) do Município do Rio, em reunião nesta segunda-feira (29/11), recomendou que a Prefeitura avalie a possibilidade de exigência do passaporte vacinal em estabelecimentos de hospedagem e outros serviços, além de onde ele já é necessário, visando evitar turismo de pessoas não vacinadas.

Paes divulgou um vídeo em suas redes sociais nesta segunda-feira (29/11) onde aborda assuntos relacionados a Covid, como a variante ômicron. Em dado momento da filmagem, Paes garante que o Carnaval e o Réveillon “só serão realizados caso haja condições seguras”. Ele fez um apelo para que os 5% de adultos sem o esquema vacinal completo se vacinem.

Larissa Ventura

Jornalista, radialista e produtora de conteúdo, apaixonada por cultura, turismo e pelo Rio