Eduardo Paes, prefeito do Rio - Foto: Reprodução/G1

O decreto 48.644 com as novas medidas restritivas, anunciadas pelo prefeito Eduardo Paes em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (22/03), foi publicado em uma edição extra do Diário Oficial.

O decreto define restrições para o período de 26/03 a 04/04, quando deve ocorrer o que está sendo chamado de “superferiado” no RJ. O projeto que cria o recesso está sendo discutido nesta terça-feira (23/03) pela Alerj.

Segundo as restrições da Prefeitura, bares e restaurantes do Rio poderão funcionar apenas para entrega em domicílio (delivery), retirada em balcão (take-away) ou drive-thru. Fica proibido o atendimento presencial para consumo local.

Quanto às academias, o decreto de Paes libera ainda o funcionamento sem restrição de horários, mas somente para atividades individuais. Assim, aulas coletivas estão proibidas.

Outras regras:

Não poderão funcionar:

  • lojas de comércio não essencial;
  • shoppings;
  • boates;
  • danceterias;
  • museus;
  • galerias;
  • bibliotecas;
  • salões de cabeleireiro;
  • clubes;
  • quiosques;
  • parques de diversão
  • escolas;
  • universidades;
  • creches;
  • eventos esportivos (incluindo jogos de futebol);
  • estabelecimento de ensino de esportes, música, arte, cultura, cursos de idiomas, cursos livres, preparatórios e profissionalizantes (presenciais);
  • centro de treinamento e formação de condutores.

Poderão funcionar (com restrições):

  • bancas de jornal, sendo proibida a venda de bebida alcoólica;
  • supermercado;
  • farmácia;
  • atividades físicas individuais em parques e praias;
  • transporte;
  • comércio atacadista;
  • pet shop;
  • lojas de material de construção;
  • locação de carros;
  • serviços funerários;
  • bancos;
  • serviços médicos;
  • Mecânicas e loja de autopeças;
  • Hotelaria, com serviço de alimentação restrito a hóspedes;
  • igrejas;
  • postos de combustíveis;
  • feiras livres;
  • serviços de telecomunicações, teleatendimento e call-center.

12 COMENTÁRIOS

  1. Esse VERME chamado Paes(soldadinho do LULADRÃO) apoiou Copa do Mundo e Olimpíadas quando os hospitais já estavam em crise. Deveria estar no presídio e não na prefeitura. O empresário de hoje é o pobre de amanhã. E ainda tem IDIOTA que apoia esse bandido.

  2. Não entendo as pessoas reclamando de igrejas e academias.
    As comunidades que moram muitas pessoas juntas, transportes lotados, bancos com filas quilométricas e até para tomar vacinas as filas estão enormes!
    Mas se o Lula falou que o problema são as igrejas os papagaios repetem, isso tudo acaba quando eles querem, como foi na época das eleições!

  3. É difícil entender que todo trabalho é essencial? Tem gente impedida trabalhar há 1 ano e ninguém se preocupa.
    Se o trabalho garante o mínimo para seu alimento e sustento, ele é essencial.
    O lockdown é necessário sim. Mas precisa dar condições para as pessoas.

  4. Serviços funerários proibidos de funcionar nesse período de superferiadão.Como a Rede Bobo vai fazer suas mentiras arquitetadas?Quem sofre com isso é o pobre que tem que levar o pão de cada dia para sua família.Enquanto o rico esbanja dinheiro a toa!Vamos nos unir povo Carioca!Porque esses governantes querem matar o pobre e ninguém vê isso?!Vamos para de fazer memes e vamos lutar pelo nosso direito que é trabalhar para sustentar nossa família.Lá nos USA deram cestas basicas que durariam 3 meses para as famílias aqui no Brasil precisamente no Rio deram uma cesta que não durou nem se quer 4 dias.Já que querem imitar tudo o que o gringo faz porque não imitam isso também???

  5. Fechou o hospital de campanha do Riocentro por picuinhas de ter sido feito pela antiga gestão, menos 500 leitos? O Ego dele ultrapassa qualquer limite de preocupação com população carioca. Torço para que ele não roube o município do Rio novamente.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui