(Foto: Divulgação)

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que, a partir desta semana, vai publicar semanalmente, no Painel Covid-19, o mapa do monitoramento genômico das variantes do Coronavírus no Estado do Rio de Janeiro. A medida tem como objetivo garantir mais transparência aos dados da pandemia e permitir que os cidadãos tenham acesso às informações da evolução da doença no estado.

Ao acessar a aba “Variantes Covid-19” no menu superior do Painel, é possível entrar na página de dados, que conta com opção de consulta por variante, data, cidade e região de saúde. A atualização, toda sexta-feira, às 17h, será acompanhada de um boletim semanal com uma análise sobre o cenário atual das variantes. A primeira edição já está no ar.

Na última análise com amostras coletadas na semana epidemiológica 35 (de 28/08/21 a 04/09/21), foram realizados 56 sequenciamentos, sendo todos positivos para a variante Delta. Dessa forma, é possível afirmar que 100% das amostras analisadas no período são da variante Delta. O informativo desta semana mostra ainda que, em uma amostra coletada na semana epidemiológica 26 (27/06/21 a 03/07/21), foi identificada a variante Mu (B.1.621), originária da Colômbia.

O caso detectado em junho é de um morador do Rio de Janeiro com histórico de viagem para o México, local de circulação da variante. O homem de 57 anos, sem comorbidades e com a primeira dose da vacina contra Covid-19, teve sintomas leves e se recuperou bem.

Desde janeiro, 4.893 amostras foram avaliadas. No acumulado, a Gamma foi a variante predominante desde o início do ano, correspondendo a 69% de todas as amostras sequenciadas no estado, até 17/09/2021. De acordo com as análises é possível afirmar que a linhagem Gamma foi a mais frequente de fevereiro até junho e, a partir da detecção da variante Delta, em junho de 2021, esta linhagem aumentou a sua frequência, se tornando a variante dominante no mês de agosto.

A pasta ressalta que o sequenciamento do coronavírus não é um exame de rotina nem de diagnóstico, é feito como vigilância genômica, para identificar modificações sofridas pelo vírus SARS-CoV-2 no estado e embasar políticas sanitárias.

A maior parte das amostras sequenciadas no estado se refere ao projeto Corona-Ômica-RJ, um dos maiores estudos de vigilância genômica do país. Faz parte de uma parceria entre a SES, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, Laboratório Central Noel Nutels, Fiocruz e Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Os resultados expostos no Painel também incluem amostras enviadas pelos municípios ao Lacen/RJ, seguindo os critérios da Nota Técnica 33/2021 da SUBVAPS-SES/RJ, que encaminha para o Laboratório de Referência de Vírus Respiratórios.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui