Ademir Junior
Alegria na Roda de Samba (foto: Alvaro Tallarico)

Essa situação de pandemia entristece mesmo. Entretanto, outro dia, ouvi um samba novo. O músico Ademir Junior cantava “É Melhor Sorrir Do Que Chorar”. O brasileiro é especialista nisso. Enquanto tantos países tem uma sociedade muito mais igualitária e vivem reclamando, no Brasil, costuma ser diferente. Nosso povo é (ainda) conhecido mundialmente como aberto e alegre, resiliente. E isso não é só propaganda. A hospitalidade brasileira costuma ser elogiada por várias outras nacionalidades.

Logicamente, um país tão grande como esse tem culturas diversas, umas mais fechadas, outras realmente mais simpáticas. Porém, a maioria dos estrangeiros que conheci até hoje comentam sobre essa postura brasileira alegre. Falam da música presente em todos os cantos, as rodas de samba, as festas gratuitas nas ruas, as brincadeiras do cotidiano, o riso fácil.

Posteriormente, lembrei do poetinha Vinicius de Moraes, o qual dizia: “É melhor ser alegre que ser triste, alegria é a melhor coisa que existe”. Trecho de uma canção de nome sugestivo: “Samba da Benção”. No isolamento obrigatório, quantas e quantas vezes fui salvo por boas músicas, como o ícone Cartola, o samba rock do Trio Mocotó, o violão de Hugo Mello, a voz de Luedji Luna, a poesia do saudoso Moraes Moreira?

Salve a nossa música! Fora isso, em outros tempos, durante minhas andanças, ouvi muitos viajantes falarem que no Brasil conseguiram fazer boas amizades, diferentemente de outros locais do mundo. De repente, parei e agradeci por ter amigos. Aquele que me salvou no dia que quase me perdi em tristeza. O outro que me ouviu quando eu mais precisava. Aquela que me abraçou no momento em que me faltava afeto. E as vezes em que recebi a ligação daquela amiga, que estava mal, depressiva. Mesmo eu também não estando assim tão bem, respirei fundo, e me fortaleci para escutá-la. Fiz esforço para que ela sorrisse, apesar das dificuldades.

O sorriso abre portas e tem o poder de ajudar no funcionamento do sistema respiratório, cardiovascular e imunológico. Além disso, traz benefícios à saúde física, mental e espiritual. Agora, me diz, precisava de pesquisa científica para você saber disso?

Enfim, a ciência afirma que o sorriso nos fortalece por causa de uma tal endorfina que é liberada na corrente sanguínea, e isso interfere no organismo, ajudando a relaxar e afastar tensões. Sou conhecido por ter uma gargalhada um pouco estridente e indiscreta. Uma explosão de alegria espontânea. Tipicamente brasileira. Retrato de liberdade. Não anda tão fácil sorrir. Mas a arte sempre me ajuda.

Aliás, o sambista que citei no primeiro parágrafo, Ademir Junior, fará uma live que será transmitida via Facebook em prol da Casa de Apoio a Criança com Câncer São Vicente de Paulo no dia 30 de julho. É a cultura espalhando sorrisos em prol do bem, afinal, é melhor sorrir do que chorar.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui