Foto Cleomir Tavares / Diario do Rio

Texto feito com Michel Gonçalves, estudante de história e morador do Santo Cristo.

Alta circulação de pessoas nas ruas durante a semana e nos finais de semana. Comércio pulsando, diversidade cultural em cada esquina e opções de moradia barata próxima aos principais locais da cidade.

Mas este não é o Centro do Rio que temos hoje.

Em 2011, visando reavivar a região, o projeto PORTO MARAVILHA foi criado. A Primeira Operação Urbana Consorciada do Município, foi um programa ambicioso da prefeitura para revitalizar toda a zona portuária da Capital do Estado. O projeto tinha como objeto especificamente a Zona Portuária – não chegaria nos bairros do Centro e Lapa, mas havia a ideia de que o centro se beneficiaria com a repercussão do projeto. No papel, era apresentado um Centro pujante, rico em oportunidades, a porta de entrada para o ressurgimento do Rio de Janeiro. Assim como já foi um dia.

Os anos se passaram e a concretização plena ficou apenas no papel. Pode-se dizer que o que aconteceu na verdade foi a ampliação da divisão da região. De um lado, áreas desenvolvidas e investimento, do outro, bairros ignorados. Uns com vias expressas e prédios ultramodernos, outros, mal recebem os serviços básicos que a Prefeitura deve prover.

Compramos um Porto Maravilha e recebemos um Porto Abandonado, inseguro, com comércio fechado, prédios e terrenos vazios, e o carioca cada vez mais afastado. Para muitos, inclusive, um problema sem solução.


Mas, lembra daquela visão de um Centro completamente diferente que apresentei no início? Ela pode ser real e estar muito próxima.

Hoje, metade dos imóveis comerciais do Centro estão vazios ou subutilizados. Por que não utilizarmos como oferta de moradia para os cariocas que precisam morar na região por conta do trabalho ou educação? Pensando nisso, aprovamos, após amplo debate entre Prefeitura, Câmara Municipal, empresários, moradores e a população do Rio, o projeto REVIVER CENTRO.

Se uma operação não é lucrativa, ela não acontece. O Reviver Centro busca recuperar a vitalidade do Centro do Rio por meio de incentivos ao uso residencial e misto. O projeto aprovado pretende atrair os investimentos necessários para tornar possível a transformação de imóveis vazios e sem uso em novas opções de moradia, através de benefícios fiscais,flexibilização da legislação edilícia para possibilitar adaptação de edifícios antigos, programas de aluguel social e investimentos diretos na recuperação do espaço público.

Aprovamos medidas importantes como: a suspensão do IPTU atrasado de outros anos; a isenção de IPTU durante obras e redução de 50% por prazo determinado após a conclusão; a redução do ITBI para proprietários de baixa renda.

E, para garantir que o Reviver Centro seja na prática a mudança que o Centro da nossa cidade tanto precisa, incluímos e aprovamos 4 emendas, que, entre outras coisas, dão mais garantias aos empreendedores, ampliam as possibilidades de utilização previstas – desde que respeitados os parâmetros estabelecidos, e melhoram as condições de participação de pequenas construtoras, tornando-as mais competitivas.

Cabe ressaltar que o Reviver Centro tem o potencial de trazer vida para a região central, e ter emanações positivas também na região portuária – apesar dela não ser totalmente o foco desse projeto, especialmente porque prevê a possibilidade de destinação de recursos para Patrimônio e Habitação de Interesse Social para essa região – algo que o Porto Maravilha deixou de lado. Por serem áreas que dividem tantos aspectos, uma dando certo, a outra sentirá os efeitos – e nesse meio tempo, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (CDURP) também estará atuando para que a região do Porto volte a se dinamizar.

Cada vez mais, o Shopping Paço do Ouvidor se fortalece como ponto de encontro no Centro do Rio. Passa no Paço.

O Reviver representa não apenas a retomada do interesse pela região central. Representa também a chegada de novos investimentos, ambientes de negócios amigáveis para empreendedores, segurança, investimento em transporte público e moradias acessíveis para que mais cariocas possam morar perto dos principais centros de emprego, educação e lazer do Rio de Janeiro. Com medidas que se integram com a revisão do Plano Diretor, o projeto Reviver Centro nos ajuda a acreditar novamente que, enfim, o Porto se tornará a maravilha que todos os cariocas esperam há tanto tempo.

Já pensou em morar nesse Centro?

5 COMENTÁRIOS

  1. Eu moro e estou de mudança, tinha um comércio que não aguentou a pandemia, e todo dia que saio do meu prédio tropeço em moradores de rua, a rua visconde de inhaúma está tomada de prédios antigos invadidos, imediações da rua acre tomada de invasões, não dá pra andar a noite sem medo. Rua Leandro Martins, com moradores de rua dormindo e casas de prostituicao logo na esquina, uma zona!!

  2. Adoro o Centro, hoje moro bem longe, mas desejo muito a voltar a morar no Centro. Morei nas esquinas da Rua Carlos Sampaio com Resende, mas me encantaria morar em qualquer lugar do Centro. Tomara que os valores não sejam altos, principalmente os condomínios.

  3. Espero que todo esse investimento traga fibra óptica pra cá, é inacreditável que isso ainda não exista por aqui em 2021, por alguma razão que desconheço as empresas não investem nisso no principal centro comercial do estado.

  4. Não. Imóveis caros, velhos e de má qualidade. Por que é que o Rio nunca pensa em melhorar os subúrbios? O centro já é bem estruturado, os subúrbios que são abandonados na miséria e na ruína.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui